Kassio evita responder sobre a Lava Jato em sabatina e se alinha a Bolsonaro contra o aborto

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) – Em uma sabatina marcada por elogios de petistas e críticas de lavajatistas, o juiz federal Kassio Nunes Marques evitou responder inúmeras perguntas sob o argumento de que pode se deparar com os temas caso seja aprovado para o STF (Supremo Tribunal Federal). A Comissão de Constituição e Justiça do Senado aprovou, por 22 a 5, o nome dele para a corte. Agora, cabe ao plenário da Casa referendar a decisão do colegiado. O primeiro indicado do presidente Jair Bolsonaro para uma vaga na corte se alinhou ao chefe do Executivo na questão do aborto e se definiu como um juiz garantista que não julga de acordo com o clamor popular. Kassio também procurou esclarecer inconsistências no seu currículo e tentou justificar a presença da sua mulher como empregada do gabinete do senador Elmano Férrer (PP-PI), mas disse não saber qual é a função dela na Casa. “O trabalho que ela desempenha, eu sabia, mas não sei lhe dizer, porque há mudanças de gabinete, mas o que eu sabia que ela fazia são essas respostas vindas de lideranças e questionamentos de gabinetes”, afirmou. O juiz repetiu em diversos momentos que não há antagonismo entre a Lava Jato e a corrente garantista do direito. Ele ponderou que correções devem ser feitas quando há exageros, mas não citou exemplos. Na sabatina que durou mais de nove horas, ele também disse que não atuará para “estancar” a operação, mas ressaltou que como qualquer outro processo a tendência é que as investigações tenham um fim. “Normalmente vai até exaurir o objeto”. Ele evitou responder questionamentos sobre diversos temas, como situações específicas da Lava Jato, inquérito das fake news, influência da TV Justiça em julgamentos, entre outros. Kassio afirmou ter ficado emocionado com o discurso do senador Ciro Nogueira (PP-PI), que é investigado no STF e considerado um dos padrinhos de indicação de Nunes pelo presidente Jair Bolsonaro para a corte. O parlamentar rebateu as críticas feitas à escolha de Kassio e exaltou o fato de o chefe do Executivo ter indicado um magistrado de origem nordestina. Kassio afirmou ser um “defensor do direito à vida” e disse ser contra o aborto. Para ele, só devem ser admitidas novas situações de descriminalização do aborto se houver uma grande mudança na sociedade e uma necessidade eventual. Como exemplo, citou a microcefalia decorrente do zikavírus. O magistrado disse que tem uma arma de fogo em casa, mas que não costuma andar com o revólver. Por ser magistrado, ele tem porte de arma. Kassio disse ser do “perfil” que defende que a arma serve “a depender da circunstância”, como local em que as pessoas moram e o nível de violência da região. “Mas não é posição jurídica”, ponderou. Em relação a bandeiras do comunidade LGBT, diz haver “uma certa pacificação social” sobre a criminalização da homofobia, a união estável homossexual, o nome social de transgêneros e o direito de homossexuais doar sangue. “Nós temos uma cultura jurídica que essa conformação jurisprudencial segue até determinado limite, e minha opinião como operador do direito é que esses limites foram atingidos. Há uma certa pacificação social no que diz respeito a isso”, disse. Kassio também elogiou o presidente do STF, ministro Luiz Fux, que, segundo ele, está conduzindo a corte “de forma democrática” e prezando pelas decisões colegiadas. A sinalização é importante porque Fux não participou das negociações para escolha do juiz federal. Quem influenciou nesse caso foi o ministro Gilmar Mendes, que recebeu Bolsonaro e Kassio em casa antes da indicação. Gilmar também foi elogiado. Segundo Kassio, o ministro teve participação importante na formação da jurisprudência do país e para dar “força normativa à Constituição”. Em dois temas, Kassio se opôs ao ex-ministro da Justiça e ex-juiz da Lava Jato, Sergio Moro. Bolsonaro chegou a prometer uma vaga no STF a ele, mas desistiu depois do ex-juiz ter pedido demissão. O magistrado frisou que cabe ao Poder Legislativo decidir se quer mudar a norma vigente sobre a prisão após condenação em segunda instância e disse ser a favor da fixação de uma quarentena para juízes concorrerem a cargos públicos após deixarem a magistratura. “Esta matéria está devolvida ao Congresso Nacional, entendo que é o foro mais que competente para traçar essas discussões, para convocar a sociedade, ouvir os clamores populares. Não entendo que o Judiciário seja o foro adequado”, afirmou. O magistrado foi questionado por ao menos dois senadores sobre o tema. Kassio ainda defendeu a decisão que deu, quando estava no exercício da presidência do TRF-1, de suspender a decisão de primeira instância de anular a licitação do STF para compra de lagostas, vinhos importados e outros itens. Veja as posições de Kassio na sabatina, ponto a ponto: Independência entre os Poderes O juiz pregou o “equilíbrio e respeito entre os Poderes” e também a separação entre eles. O magistrado afirmou que “a indevida ingerência de um Poder em área de competência estrita de outro Poder” configura-se “situação de inconstitucionalidade e, consequentemente, a depender do fato concreto, hipótese também de ilegalidade”. Presunção de inocência O magistrado afirmou que o princípio não se “limita à prisão após condenação em segunda instância” e disse que ele perpassa todas as crises atuais, como a criminalização da advocacia e da política. Ele afirmou que até tenha veredito, o alvo do processo “precisa ser tratado com a presunção de que ele é inocente, e não o contrário.” Prisão após condenação em segunda instância O juiz avalia que cabe ao Congresso Nacional decidir se quer alterar ou não a regra atual, que prevê o cumprimento da pena somente após o trânsito em julgado –quando se esgotam os recursos. Ele lembrou que se posicionou a favor da decisão do Supremo quando a corte alterou o entendimento mas ponderou que a Constituição exige que a ordem seja fundamentada. Sem deixar claro sua posição, ele citou que é preciso ter regras diferentes para “criminosos habituais” e “um cidadão brasileiro que por um infortúnio tenha se envolvido em um tipo penal”. “Então talvez aí deixo como inspiração para que no momento de decidir, mesmo como regra a prisão, possa ser excetuado casos como este para não se cometer uma injustiça”, disse Kassio. Perfil garantista Questionado sobre o tema, o magistrado afirmou que se considera, sim, um garantista. “Eu tenho esse perfil. O garantismo deve ser exaltado, porque todos os brasileiro merecem o direito de defesa todos os brasileiros para chegar a uma condenação devem passar por um devido processo legal. E isso é o perfil do garantismo.” Licitação de lagostas Kassio liberou uma licitação para a compra de itens como lagosta e vinhos pelo STF quando era vice-presidente do TRF-1. Questionado sobre o tema, afirmou que não julgou o mérito do recurso que pedia para suspender a licitação, pois não cabia no momento, e não foi o relator do caso. Mas argumentou que o Supremo e outras instituições fazem licitações para “contratação de um jantar ou de um almoço, de forma pontual”, que se tratava de uma compra para oferecer jantares e almoços para convidados e criticou a forma como a imprensa divulgou o caso. Quarentena de juízes Kassio afirmou não ver “dificuldade do ponto de vista jurídico-normativo” de aplicação de uma quarentena eleitoral para magistrados, mas lamentou que “a edificação está sendo proposta e debatida em razão de um ou outro magistrado”. Ele ainda disse que cabe ao Congresso Nacional decidir e ao Judiciário “cumpre a aplicação da norma” Operação Lava Jato Questionado se reconhece os méritos da Lava Jato, ele evitou tratar do caso específico, mas afirmou que as operações são “legitimadas”. “Eu pessoalmente não tenho nada contra nenhuma operação de que eu tenha notícia no Brasil, principalmente quando ela é conformada com estes elementos: participação do Ministério Público, do Poder Judiciário e da Polícia Judiciária, seja a estadual ou a federal”, disse. Ele ponderou, no entanto, que ajustes e “correções podem ser feitas” se houver ilegalidades nessas investigações. Trabalho da esposa no Senado O juiz afirmou que não sabe dizer a função que sua mulher desempenha no gabinete do senador Elmano Férrer (PP-PI) e disse que provavelmente ela foi contratada por sua experiência na área. O magistrado também afirmou que se vive com “muita dignidade” com salário de R$ 10 mil no Piauí “sem faltar nada para os filhos em escolas particulares”, mas disse que em Brasília o cenário é diferente. “Agora, o trabalho que ela desempenha eu sabia, não sei lhe dizer porque isso é alteração de gabinete, toda hora. Mas o que eu sabia e que fazia exatamente essas respostas vindas de lideranças, de questionamentos ao gabinete”. Padrinhos da indicação Kassio afirmou que “absolutamente ninguém” interferiu na decisão do presidente Jair Bolsonaro pela indicação de seu nome para o lugar de Celso de Mello no STF. “Eu apenas assisti a uma tentativa de adivinhação, confesso que toda semana apareciam atores diferentes”, criticou. Kassio disse que já vinha fazendo contato com integrantes do mundo político porque estava disputando uma vaga no STJ (Superior Tribunal de Justiça). Fake news O magistrado airmou que o Judiciário deve inibir as fake news, mas ressaltou que é necessário ter cuidado no julgamento desses casos.”A liberdade de expressão, quando retrata algo que ocorre e não é considerado desvirtuamento da verdade, não pode ser tolhida em nenhum aspecto”. Aborto O juiz afirmou ser um “defensor do direito à vida”. “O meu lado pessoal eu deixei bem claro na minha apresentação: eu sou um defensor do direito à vida e tenho razões pessoais para isso. (…) A minha formação é sempre em defesa do direito à vida”, disse. Para ele, o Judiciário já exauriu as hipóteses em que o aborto é permitido. Ele avaliou que novas situações de descriminalização do aborto se houver uma grande mudança na sociedade e uma necessidade eventual. Como exemplo, citou a microcefalia decorrente do zikavírus. Porte de armas Kassio afirmou que tem uma arma de fogo em casa, mas que não costuma andar com o revólver. Por ser magistrado, ele tem porte de arma. O magistrado disse ser do “perfil” que defende que a arma serve “a depender da circunstância”, como local em que as pessoas moram e o nível de violência da região. “Mas não é posição jurídica”, ponderou. Criminalização da homofobia Kassio afirmou que há “uma certa pacificação social” sobre a criminalização da homofobia, a união estável homossexual, o nome social de transgêneros e o direito de gay de doar sangue. “Nós temos uma cultura jurídica que essa conformação jurisprudencial segue até determinado limite, e minha opinião como operador do direito é que esses limites foram atingidos. Há uma certa pacificação social no que diz respeito a isso”, disse. Inconsistências no currículo Kassio e admitiu que trocou textos com o advogado Saul Tourinho, autor de artigos que têm parágrafos idênticos à dissertação de mestrado e doutorado do magistrado. Inquérito das fake news Kassio afirmou que não poderia falar a respeito do tema justamente porque se trata de uma investigação que corre no Supremo Tribunal Federal. Juiz das garantias O juiz afirmou que “não tem o que se falar contra juiz das garantias neste momento”. “Tudo que for de garantia acho que é importante, mas a dúvida talvez esteja no Supremo em torno de como dar efetividade a esse instituto”, afirmou. A implementação desse instituto foi suspenso pelo Supremo.

Deixe um comentário