Acordão no Senado dá sobrevida a ex-vice-líder de Bolsonaro flagrado com dinheiro na cueca

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) – Um acordão no Senado foi o que levou o ex-vice-líder do governo Jair Bolsonaro Chico Rodrigues (DEM-RR), flagrado com dinheiro na cueca e entre as nádegas, a pedir nesta terça-feira (20) afastamento por 121 dias. O parlamentar ganha, com isso, sobrevida na Casa, que vinha sendo pressionada a dar uma resposta após a apreensão de R$ 33,1 mil na casa dele em Boa Vista. Após a decisão, o presidente do STF (Supremo Tribunal Federal), Luiz Fux, retirou da pauta desta quarta-feira (21) o julgamento que discutiria a permanência do senador no cargo. Uma liminar de Luís Roberto Barroso ordenava o afastamento por 90 dias. Rodrigues é investigado sob suspeita de envolvimento em desvios de dinheiro no combate à Covid-19 em Roraima. A costura para que Rodrigues se licenciasse do cargo começou no dia em que Barroso determinou o afastamento do senador, na quinta-feira (15). O senador só deixaria o cargo após o plenário da Casa analisar a decisão do STF. O presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), e aliados do congressista ficaram contrariados com a decisão monocrática do ministro do Supremo. Eles queriam evitar que o Senado avaliasse uma ordem de Barroso e eventualmente a derrubasse. Isso traria desgaste ao Congresso. No começo desta semana, o afastamento Rodrigues foi defendido pelo senador Jayme Campos (DEM-MT), presidente do conselho de ética do Senado. Campos, aliado de Rodrigues, defendeu que o senador pedisse licença de 120 dias. Dessa forma, Rodrigues teria 30 dias a mais para se defender do que o tempo do afastamento que havia sido determinado por Barroso. Assim, o processo em que o ex-vice-líder é alvo no conselho de ética poderá seguir seu trâmite, sem a presença de Rodrigues. Com o afastamento solicitado pelo próprio senador, pelo período de 121 dias, Rodrigues poupou o plenário do Senado de enfrentar o desgaste de decidir pelo seu afastamento. A decisão do senador agora licenciado abre margem para que o cargo seja ocupado pelo seu suplente. O primeiro na lista é seu filho, Pedro Rodrigues (DEM-RR). Desde a semana passada, a Folha de S.Paulo mostrou que um grupo de senadores vinha articulando um movimento para analisar no colegiado o caso de Rodrigues, retardando, com isso, a decisão do Supremo. Com o afastamento de iniciativa própria agora do congressista, os senadores contornaram a decisão, por ora ainda monocrática de Barroso, e deram mais tempo a Rodrigues para se defender, antes de o caso ir ao plenário da Casa. Na tarde de segunda-feira (19), Rodrigues, que era titular do conselho de ética, pediu desligamento do colegiado, do qual era titular. O senador também já se desligou da comissão especial que analisa os gastos do governo com a Covid-19. Nesta terça, Rodrigues havia pedido inicialmente afastamento por 90 dias. Horas depois de ter encaminhado à Mesa Diretora do Senado a solicitação, ele retificou o pedido, aumentando para 121 dias sua licença do cargo. Em nota, o senador anunciou a licença “irrevogável, irretratável e sem recebimento de salários no período”. Em seguida, Barroso suspendeu os efeitos da sua decisão de afastar Rodrigues. Porém ele manteve o senador proibido de fazer contato por qualquer via com os demais investigados e testemunhas do caso. O esquema do qual Rodrigues é alvo envolveria mais de R$ 20 milhões em emendas parlamentares. A CGU (Controladoria-Geral da União) também participa da investigação. Aliados de Rodrigues querem encontrar uma alternativa para evitar que seu filho assuma o cargo –ele também é alvo da investigação. Assim, busca-se uma brecha para o segundo suplente, Onésimo de Souza Cruz Netto. Apesar das articulações, há senadores que defendem a renúncia de Rodrigues. Nesta terça, o parlamentar ainda enviou um vídeo a colegas para se defender. Na gravação, ele lê um texto e afirma que escondeu o dinheiro “num ato de impulso”. Segundo ele, a intenção era proteger valores que seriam destinados a pagar salários de funcionários que trabalham com ele. “Eu nunca tinha sido acordado pela polícia. Acordei em meio a pessoas estranhas em meu quarto”, afirmou. “Num ato de impulso protegi o dinheiro do pagamento das pessoas que trabalham comigo. Se levassem esse dinheiro, ninguém ia receber esta semana.” No vídeo, Rodrigues apelou para o emocional dos colegas e disse que “por trás desse broche de senador, existe um ser humano”. Na gravação de dois minutos, ele afirmou que o recurso apreendido não era originado de corrupção. “Só consegui falar agora porque ainda estava sem forças, e ainda estou. Permitam-me explicar, não me condenem previamente.” De acordo com informações da Polícia Federal enviada ao Supremo, Rodrigues escondeu R$ 33.150 na cueca. Desse total, R$ 15 mil em maços de dinheiro estavam entre as nádegas. A defesa alega que o recurso era particular, e que o parlamentar não cometeu irregularidades. Ao determinar o afastamento de Rodrigues, Barroso apontou “gravidade concreta”. Segundo ele, o caso exigia a medida com o objetivo de evitar que o senador usasse o cargo para dificultar investigações. Ao Supremo, a PF também havia pedido a prisão preventiva do senador. No entanto, Barroso autorizou apenas a operação de busca e apreensão e, no dia seguinte, afastou o senador do cargo. A decisão de Barroso da semana passada de enviar o processo ao plenário do STF visava dar força ao movimento de Fux, que quer aprovar uma mudança no regimento que torne automático e obrigatório o encaminhamento de despachos individuais ao plenário. Diante da licença pedida por Rodrigues, a retirada de pauta evitou um desgaste do Supremo com o Congresso. Na decisão em que revogou a determinação de afastamento, agora pedida pelo próprio parlamentar, Barroso afirmou que o pedido de licença foi acolhido pelo presidente do Senado. “Conforme prevê o regimento interno do Senado Federal, em caso de licença por prazo superior a 120 dias, será convocado o suplente do parlamentar, não podendo o senador desistir da licença, ao menos por este período”, escreveu Barroso. Assim, concluiu o ministro, “já não mais se torna necessária a submissão imediata da matéria ao plenário”. Barroso reafirmou, ainda, que proibiu “expressamente a divulgação dos vídeos que registraram a revista pessoal do investigado”. Sobre Rodrigues, que era vice-líder de seu governo, Bolsonaro afirmou no dia 15 que ele é “uma pessoa que gozava do prestígio, do carinho de quase todos”. O presidente, porém, tentou desvincular a atuação do senador do Executivo.

Deixe um comentário