Gestão Doria retira isenção de ICMS do Zolgensma, dizem pais de bebês com Atrofia Muscular Espinhal

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

SÕ PAULO, SP (FOLHAPRESS) – Há quatro dias, a família do bebê Arthur Ferreira Belo, de 1 ano e 11 meses, publicou no Instagram um apelo ao governador de São Paulo, João Doria (PSDB), para a isenção de ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços) sobre o medicamento Zolgensma, indicado para o tratamento de AME (Atrofia Muscular Espinhal) tipo 1, considerado o mais grave. O imposto representa 18% do valor do medicamento e ultrapassa R$ 2 milhões. A AME é uma doença rara causada por uma alteração do gene responsável por codificar a proteína necessária para o desenvolvimento adequado dos músculos. A doença, portanto, causa fraqueza, hipotonia, atrofia e paralisia muscular progressiva. O tipo 1 acomete de 45% a 60% do total de portadores da doença e pode levar à morte. Aos três meses, Arthur não segurava a cabeça, engasgava com facilidade e tinhas as pernas fracas. A mãe, a dona de casa Alessandra Ferreira Santos, 28, o consultou com vários pediatras. Todos diziam que com o tempo ele seria uma criança mais firme. O funcionário de uma UBS do bairro do Grajaú (zona sul), onde a família mora, recomendou a Alessandra que levasse o Arthur ao Hospital Infantil Darcy Vargas. Após três dias de internação e a realização de exames, veio o diagnóstico de AME tipo 1. “O neurologista foi duro em suas palavras. Você vai ser uma mãe de UTI, seu filho vai atrofiar e a expectativa de vida é de dois anos. Foi o que ele disse”, relata Santos. Um amigo ajudou a família a iniciar o tratamento de Arthur. Aos cinco meses, em maio de 2019, o bebê foi internado no Hospital da Luz e ficou durante três meses. “Soube do Zolgensma pelo neurologista, mas na época o remédio ainda estava em estudo. Eu nunca tinha ouvido falar nem da doença.” Santos deixou o emprego num hortifruti para cuidar do filho e o marido é autônomo. Trabalha em casa com manutenção de celulares. A campanha para arrecadar os cerca de R$ 12 milhões ( US$ 2,125 milhões) para adquirir o Zolgensma, considerado o medicamento mais caro do mundo, começou em outubro do ano passado. O montante é o valor de mercado nos Estados Unidos devido a uma combinação de investimento em pesquisa e inovação tecnológica, baixa escala, aplicação única (não há sessões sucessivas para “diluir” o custo) e falta de concorrência. Em setembro, através de ação judicial, a família conseguiu que a União completasse o valor arrecadado em campanha através do perfil @amearthurbelo nas redes sociais para a compra do medicamento. No dia 22 do mesmo mês, o governo federal depositou R$ 8,39 milhões numa conta judicial. No total, até esta segunda-feira (19), a família de Arthur conseguiu R$ 11,4 milhões e descobriu que precisa de mais de R$ 2 milhões para pagar o ICMS. Arthur completará dois anos em oito de novembro e seus pais correm contra o tempo. Ainda não há dinheiro para cobrir as demais despesas com o tratamento, que incluem a viagem até Curitiba (PR), os custos do Hospital Pequeno Príncipe -onde será feito o procedimento-, e da aplicação da medicação. “Eu peço ao João Doria que olhe por nós, agora que estamos a um passo de mudar a vida do meu filho. Não tenho condições físicas, emocionais e financeiras. Passamos um ano de muita luta, desespero e medo. Eu gostaria de pedir que ele [João Doria] isente o medicamento do imposto. São muitas mães lutando pela vida dos seus filhos”, afirma Santos. Em 7 de agosto, a bebê Marina Moraes de Souza Roda, hoje com dois anos, foi a primeira criança a receber a dose única do Zolgensma. O procedimento ocorreu no Hospital Israelita Albert Einstein, no Morumbi (zona sul). Um dia depois, João Doria foi homenageado pela família de Marina e recebeu um certificado em agradecimento ao decreto de isenção do imposto feito na época. Ele e a primeira-dama Bia Doria tiraram fotos com a bebê e os pais no hospital. O momento foi compartilhado nas redes sociais de Doria. Dias após a aplicação de Marina, a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) aprovou uso o medicamento para o tratamento do tipo 1, em crianças de até dois anos, no Brasil. O registro do Zolgensma, da empresa Novartis Biociências S. A, foi publicado em 17 de agosto do Diário Oficial da União. O ajudante de motorista Wesley Silva Sales Lopes, 23, e a esposa, a dona de casa Williane de Sales Lopes, 20, convivem com a falta da filha Heloísa, que morreu em 2016, aos 4 anos, de atelectasia pulmonar. Agora, o filho Arthur Silva Sales Lopes, que completará 11 meses no dia 24 de outubro, luta contra a AME tipo 1. Segundo Wesley, a doença foi descoberta aos seis meses por demora no diagnóstico. Após apresentar febre e engasgos, Arthur ficou internado no Hospital Cândido Portinari, na Vila Jaguara (zona oeste), por três meses. Sem saber o que tinha, o bebê foi transferido ao Hospital Cruzeiro do Sul, onde permaneceu pelo mesmo período. Lá, a equipe médica deu o diagnóstico de AME. “Perdemos o chão, mas resolvemos pesquisar sobre a doença e no instagram descobrimos outras crianças com o mesmo problema e também o zolgensma. Pensamos em iniciar uma campanha imediatamente”, conta Wesley. A campanha do Arthur Sales começou há quatro meses, pelo Instagram @amearthurzinhosales. O montante arrecadado até esta segunda não chega a R$ 60.000. “Estamos pensando em realizar sorteios e bazares, mas precisamos de ajuda. O valor do ICMS sobre o valor de um medicamento que já é tão caro preocupa não só a mim, mas também as famílias das outras crianças que têm o mesmo problema. É uma quantia alta a mais que teremos que arrecadar e não será fácil.” Segundo Wesley, um dos médicos que atendeu o Arthur afirmou que a morte da filha Heloísa pode ter sido provocada por um quadro de AME. Outro lado Em nota, a assessoria de imprensa do Governo de SP afirmou que João Doria não suspendeu a isenção do ICMS, mas “naquela situação emergencial específica, foi feita a edição de um decreto com benefício válido até 31 de agosto.” Segundo o órgão, paralelamente, conforme determinado pelo Tribunal de Contas do Estado, está em elaboração um projeto de lei para tratar do assunto, que será enviado à Assembleia Legislativa ainda nesta terça-feira (20). Com prazo de 15 dias para apreciação dos deputados, o Governo resolverá outras situações pontuais.

Deixe um comentário