Após novo cessar-fogo fracassado, armênios vão às ruas cobrar posição da ONU

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) – Após a segunda quebra de um acordo de cessar-fogo em uma semana e uma nova leva de mortes causadas pela retomada do conflito em Nagorno-Karabakh, os armênios foram às ruas da capital, Ierevan, pedir atenção da comunidade internacional frente à disputa armada que já matou mais de 760 pessoas. A manifestação, que reuniu milhares de pessoas, foi especialmente crítica ao presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, que apoia o Azerbaijão, e ao silêncio da Organização das Nações Unidas. “Os princípios de vocês são palavras que estão apenas no papel”, dizia um cartaz com o logotipo da organização. “ONU, cadê o seu auxílio humanitário?”, indagava outro. A 120 quilômetros dali, na cidade armênia de Guiumri, moradores fizeram uma procissão para velar a morte de Samvel Hovakimyan, um soldado de 23 anos morto no conflito. As duas mobilizações vêm na esteira do fracasso das tentativas de paz na região de Nagorno-Karabakh, encrave de maioria armênia em território localizado dentro do Azerbaijão. No domingo (18), ambos os lados se acusaram mutuamente de violar um cessar-fogo humanitário acordado horas antes, após novos ataques do lado azeri pela manhã. O pacto acertado no sábado (17) entrou em vigor à meia-noite, depois que um cessar-fogo anterior, mediado pela Rússia, não conseguiu deter os piores combates no sul do Cáucaso desde 1994. Ao menos 760 pessoas foram mortas desde o início da nova onda de confrontos, em 27 de setembro. O conflito é permeado por divergências e acusações de ambos os lados. No domingo (18), o Azerbaijão afirmou ter “neutralizado” um míssil disparado pelo exército armênio num oleoduto em território azéri, o que a Armênia negou. No mesmo dia, o Ministério da Defesa azeri informou que a região de Aghdam, adjacente a Nagorno-Karabakh, estava sob bombardeio, o que a Armênia também negou. Ierevan diz, por sua vez, que o Exército azeri realizou dois disparos durante a noite e acusou Baku de rejeitar o pedido de retirar os soldados feridos do campo de batalha, o que o Azerbaijão classificou de desinformação. O Azerbaijão diz que, desde o início dos conflitos, 61 civis azeris foram mortos e 282 feridos, mas não divulgou as baixas militares. Nagorno-Karabakh afirma que 729 militares e 36 civis foram mortos. A comunidade internacional teme a internacionalização do conflito, já que a Turquia apoia o Azerbaijão. A Armênia, que dá suporte financeiro e material aos separatistas, tem uma aliança militar com a Rússia. No fim de semana, a maioria dos moradores de Stepanakert, a capital da região separatista, deixou a região fugindo dos bombardeios.

Deixe um comentário