Fux marca para próxima quarta análise do afastamento de senador flagrado com dinheiro na cueca

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) – O presidente do STF (Supremo Tribunal Federal), Luiz Fux, marcou para próxima quarta-feira (21) o julgamento do afastamento por 90 dias do senador Chico Rodrigues (DEM-RR), flagrado com dinheiro na cueca em operação da Polícia Federal. O relator do caso, ministro Luís Roberto Barroso, afastou o parlamentar do cargo na quinta-feira (15) e, nesta sexta, havia pedido a inclusão da matéria em pauta. A decisão de Barroso foi monocrática e, agora, o plenário decidirá se mantém ou revoga a ordem do magistrado. Rodrigues é suspeito de integrar um esquema de corrupção para desviar recursos públicos na compra de testes rápidos para detecção da Covid-19. O esquema envolveria mais de R$ 20 milhões em emendas parlamentares. A Controladoria-Geral da União (CGU) também participa da investigação. A PF havia pedido a prisão preventiva de Chico Rodrigues, mas Barroso autorizou a operação de busca e apreensão e afastou o senador do cargo. O Senado, porém, ainda tem de se reunir para votar se aceita a ordem de afastamento de um dos colegas. Em 2017, o STF decidiu que o Legislativo pode rever restrições impostas contra um parlamentar. O julgamento no plenário do STF, caso confirme a decisão de Barroso, servirá para reforçar o entendimento e constranger os senadores para que não derrubem a determinação do Supremo. Segundo investigadores envolvidos no caso, parte das cédulas encontradas em endereços ligados ao parlamentar estavam nas nádegas de Rodrigues. Cerca de R$ 30 mil foram encontrados na casa dele. Foram cumpridos sete mandados de busca e apreensão em Boa Vista. Rodrigues foi um dos alvos. A decisão de Barroso de enviar o processo ao plenário visa dar força ao movimento de Fux, que quer aprovar uma mudança no regimento que torne automático e obrigatório o encaminhamento de despachos individuais ao plenário. Após a operação, Chico Rodrigues divulgou nota em que disse acreditar “na Justiça dos homens e na Justiça Divina”. “Estou tranquilo com o fato ocorrido hoje [quarta-feira] em minha residência em Boa Vista, capital de Roraima. A Polícia Federal cumpriu sua parte em fazer buscas em uma investigação na qual meu nome foi citado”, afirmou Rodrigues.

Deixe um comentário