Teto de gastos é como terno na promoção e precisamos caber dentro, diz secretário de Guedes

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) – O secretário-executivo do Ministério da Economia, Marcelo Guaranys, afirmou nesta terça-feira (18) que o teto de gastos precisa ser respeitado para gerar credibilidade para as contas públicas brasileiras. Para ele, o caminho para abrir mais espaço no Orçamento deve ser rever outras despesas. “O teto foi colocado para gerar credibilidade para a sociedade, [ao sinalizar que] o Brasil não vai continuar na trajetória de gastança cada vez maior ano após ano. A gente comprou um terno e tem que caber lá dentro”, afirmou em conferência virtual promovida pelo banco Santander. “Conversando com o pessoal do Banco Mundial, eles falaram que somos loucos porque compramos um terno e vamos ter que caber, e que geralmente a gente emagrece antes. E falei que no Brasil é assim mesmo, a gente compra na promoção e depois dá um jeito de entrar ali”, disse. Ele ressaltou que a discussão sobre a criação de mais despesas tem que ser precedida pela revisão de outras várias despesas. Um caminho desejado pela equipe econômica é a aprovação da PEC (proposta de emenda à Constituição) do Pacto Federativo, que elimina diferentes gastos obrigatórios. “Temos que fazer nosso dever de casa, pois o piso sobe. A gente vai engordar e trocar o terno ou começar a malhar e caber nele, fazer um regime? Então precisamos de reforma para desvincular, desindexar e desobrigar as nossas despesas”, afirmou. Para ele, esse caminho é necessário para evitar aumento dos juros, entre outras consequências. “O endividamento pode até ser possível, mas não pode ser crescente. Porque isso gera perda de credibilidade, juros altos e efeitos nocivos que já vimos na história recente”, disse. As afirmações de Guaranys são feitas em meio a uma intensa discussão sobre o teto de gastos e tentativas no próprio governo de contornar o espírito da regra. Conforme mostrou o jornal Folha de S.Paulo, o presidente Jair Bolsonaro se queixou na semana passada a deputados aliados que o ministro Paulo Guedes (Economia) precisa ser menos inflexível e intransigente em relação aos recursos orçamentários. Guedes teria de entender que a política econômica precisa estar em sintonia com o projeto de governo. A principal reclamação do presidente, de acordo com assessores palacianos, é que o ministro é mais propenso a negociar a liberação de recursos solicitados por deputados e senadores, mas adota uma posição mais rígida quando o pedido é feito por integrantes da equipe ministerial. “É uma conversa natural. Qualquer governo tem seus desejos de fazer seus investimentos. Só que existe uma Lei de Responsabilidade Fiscal. A decisão de onde sai os recursos tem que respeitar a Lei de Responsabilidade Fiscal. Esse foi meu alerta”, afirmou Guedes nesta segunda-feira (17). O ministro disse que é possível liberar recursos para investimentos públicos. Para isso, segundo ele, é necessário retirar amarras do Orçamento, respeitando o teto de gastos. “Existe uma forma de abrir espaço para investimento? Existe, é o pacto federativo. Se você trava as despesas, desindexa, desvincula, desobriga, você abre espaço para investimento, ou seja, o dinheiro vai sair de algum lugar”, disse o ministro. O teto de gastos foi criado por uma emenda constitucional em 2016, durante o governo do presidente Michel Temer. A norma impede o crescimento real das despesas.

Deixe um comentário