PF faz megaoperação contra tráfico internacional de drogas no DF e em 12 estados

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) – A Polícia Federal cumpre nesta terça (18) 50 mandados de prisão e 139 mandados de busca e apreensão contra tráfico de drogas internacional e lavagem de dinheiro pela operação Além Mar. Os mandados foram cumpridos no Distrito Federal e em 12 estados brasileiros: Alagoas, Bahia, Ceará, Goiás, Mato Grosso do Sul, Pará, Paraíba, Pernambuco, Paraná, Rio Grande do Norte, Santa Catarina e São Paulo. A operação envolveu mais de 600 agentes, que, autorizados pela Justiça Federal, apreenderam sete aviões, cinco helicópteros, 42 caminhões e 35 imóveis urbanos e rurais e bloquearam judicialmente R$ 100 milhões. Todos os bens sequestrados pela Justiça eram utilizados pela organização criminosa ou estavam em nome dos investigados. O esquema, que começou a ser investigado em 2018, era bem estruturado. Em São Paulo, os criminosos recebiam cocaína do Paraguai e então a vendiam no atacado para outros estados brasileiros e para a Europa. Em Campinas, no interior de São Paulo, a droga recebida também era distribuída pelo Brasil, e parte era exportada para Cabo Verde e para a Europa. Em Recife funcionava, segundo a PF, o transporte para o Brasil. Empresários do setor, funcionários e caminhoneiros transportavam a cocaína pelo país em contêineres. Na região do Brás, na capital paulista, funcionava a lavagem de dinheiro por meio de empresas fantasmas, empresas de fachada ou “laranjas”. “Durante a fase sigilosa das investigações foram presas 12 pessoas e apreendidas mais de 11 toneladas de cocaína, no Brasil e na Europa, relacionados ao esquema criminoso. Dentre esses presos estava um grande traficante, que permaneceu foragido da justiça brasileira por 10 anos e era procurado pela Polícia Federal e pela National Crime Agency – NCA, do Reino Unido. Ele foi preso em Jundiaí (SP) em março de 2019”, diz comunicado da PF.

Deixe um comentário