Para Bruno Covas, aulas em SP não devem retornar em setembro

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) – O prefeito de São Paulo, Bruno Covas (PSDB), anunciou nesta terça-feira (18) que as aulas em escolas da capital não devem retornar em setembro. O anúncio foi feito em entrevista coletiva, junto à divulgação da primeira fase de inquérito sorológico desenvolvido pela prefeitura para avaliar a parcela da população de crianças que já contraiu o vírus. Segundo o estudo, 16,1% das crianças com idades entre 4 e 14 anos do município possuem anticorpos no sangue para o Sars-CoV-2. A prevalência é maior do que em toda a população adulta de São Paulo, cujo valor está em torno de 11%. Até o momento, a faixa etária da população paulistana que apresentou maior incidência foi a de jovens de 17 a 34 anos (17,7%). A Secretaria Municipal de Saúde (SMS) visa realizar nove etapas (fases 0 até 8) do mapeamento sorológico na cidade. A pesquisa busca a soroprevalência, isto é, a presença de anticorpos específicos para o Sars-CoV-2 no sangue das pessoas, indicativo de que já houve contágio no passado. No início do mês, o governador João Doria (PSDB) anunciou que a retomada das aulas presenciais nas escolas públicas e privadas do estado só ocorreria a partir do dia 7 de outubro, quase um mês após a data inicialmente prevista pelo chamado Plano SP, porque as condições impostas para a retomada do ensino presencial não foram cumpridas. No entanto, as unidades seriam liberadas para reabrir para recuperação e atividades de acolhimento de alunos, de forma opcional, a partir do dia 8 de setembro. A ideia é mitigar a situação de pais que tenham voltado a trabalhar presencialmente e não têm como ficar com os filhos. Pesquisa Datafolha divulgada nesta terça mostrou que, para 79% dos entrevistados, a reabertura das escolas no país vai agravar a pandemia e, por isso, as unidades deveriam continuar fechadas nos próximos dois meses. O estudo da prevalência em crianças teve início junto à quarta fase do inquérito na população adulta, cujos resultados foram divulgados na última quinta-feira (13). O desenho do estudo dividiu a população amostrada em três estratos, cada um com 2.000 participantes sorteados aleatoriamente: o primeiro de alunos do ensino infantil, de 4 a 6 anos; o segundo contou com alunos do fundamental I, de 6 a 10 anos; e o último incluiu os alunos do ensino fundamental II, de 11 a 14 anos. A pesquisa foi feita entre 6 e 10 de agosto e colheu sangue venoso e outros dados por meio de entrevista com os alunos. Quando comparados os três estratos, a diferença da prevalência não foi estatisticamente significativa, sendo 16,5%, 16,2% e 15,4%, respectivamente. Já as diferenças entre raça e renda mensal foram significativas. Como evidenciado no inquérito sorológico da população geral, no município de São Paulo a prevalência do Sars-CoV-2 é maior nas crianças pretas e pardas (17,8%) em relação às brancas (13,7%). A incidência nas crianças de classes D e E (15,2%) também foi maior quando comparada às classes A e B (9,3%) e C (13,9%). Na amostra, 64,4% da população escolar na rede municipal de São Paulo está inserida nas classes D e E, enquanto 27,8% pertencem à classe C e apenas 0,4% são de alunos das classes A e B. A pesquisa apontou ainda que 25,5% das crianças testadas moram com pessoas com 60 anos ou mais. Do total de crianças analisadas, 64,4% responderam não ter sintomas de Covid-19 frente a 35,6% que relataram sintomas. A taxa de assintomáticos entre as crianças de 4 a 14 anos é cerca de 50% maior do que a reportada para a população geral (42,5%). Para Covas, a taxa elevada de crianças assintomáticas foi um dos pontos que balizou a decisão de não retomada das aulas no município em setembro. O peessedebista afirmou ser “temerário” o retorno às aulas com uma prevalência de 16,1% do coronavírus nas crianças, inclusive por ser mais difícil manter o distanciamento social dentro da sala de aula. “Além de uma dificuldade maior de manter o distanciamento social nas escolas, a pesquisa mostra que dois terços das crianças foram assintomáticos. Isso significa que duas a cada três crianças contaminadas com o vírus não apresentarem nenhum sintoma. A escola coloca o medidor de temperatura na porta, mas essa criança não vai apresentar febre, mas está contaminada, às vezes até com a mesma carga viral de um adulto.” O prefeito ressaltou ainda que o retorno às aulas colocaria também em risco os membros das famílias dessas crianças com 60 anos ou mais e poderia ser um grande vetor de disseminação e ampliação da doença na cidade. A prefeitura irá aplicar mais três fases do estudo para continuar monitorando a incidência do coronavírus nas crianças. A fase divulgada nesta terça coletou dados apenas de alunos da rede municipal. Nas próximas, pretende-se também testar crianças das redes estadual e privada na capital, assim como os membros da família dessas crianças para monitorar a transmissão dentro dos domicílios. Após análise das próximas fases dos inquéritos tanto em crianças quanto na população geral, a prefeitura irá decidir se as aulas retornarão em outubro, algo não descartado por Covas.

Deixe um comentário