Maduro anuncia fim da Assembleia Constituinte em dezembro, mês das eleições parlamentares

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) – O ditador da Venezuela, Nicolás Maduro, anunciou nesta segunda-feira (17) que a Assembleia Constituinte, controlada pelo chavismo, encerrará atividades em dezembro, quando o governo realizará eleições para definir os novos parlamentares da Assembleia Nacional, hoje com maioria opositora. O pleito, no entanto, foi boicotado pelos 27 partidos de oposição e rejeitado por Grupo de Lima, EUA e União Europeia, abrindo caminho para uma nova composição alinhada ao regime chavista. Segundo as legendas contrárias a Maduro, participar das eleições seria “colaborar com a ditadura”. Desta forma, a existência da Assembleia Constituite, criada por Maduro em julho de 2017 em meio a atos que deixaram mais de cem mortos para tomar as atribuições da Assembleia Nacional, perdeu o sentido. Os membros da Constituinte foram eleitos em pleito não reconhecido pela oposição e por outros países da América Latina, e a suposta atribuição do órgão, redigir uma nova Constituição, ainda não foi cumprida. Na sexta-feira (14), o Grupo de Lima, bloco de países das Américas, rechaçou as eleições propostas pela Venezuela para a Assembleia Nacional. No mesmo dia, um grupo de 31 países, incluindo os EUA, pediu a instalação de um governo de transição e eleições livres no país. A declaração também exige a restauração da independência do Tribunal Supremo de Justiça (TSJ) e do Conselho Nacional Eleitoral. A oposição decidiu pelo boicote após a nomeação de novas autoridades eleitorais pelo órgão de Justiça, ainda que a prerrogativa deveria ser do Legislativo. Em janeiro deste ano, soldados impediram o líder opositor Juan Guaidó de acessar o Congresso por tempo suficiente para que o PSUV, partido de Maduro, apontasse o deputado Luis Parra como líder do Parlamento, cargo ocupado por Guaidó até então. Em uma sessão separada, na sede de um jornal, deputados de oposição reelegeram o opositor e depois voltaram ao prédio do Congresso, o que gerou um impasse, pois o Parlamento ficou com dois presidentes eleitos, sem estar claro quem de fato comanda a Casa. No dia 26 de maio, o TSJ tirou Guaidó da presidência da Assembleia Nacional, validando o movimento chavista e esvaziando os poderes do opositor que se proclamou presidente interino da Venezuela em janeiro de 2019 e foi reconhecido como tal por mais de 50 países. A proclamação veio após a reeleição de Maduro em 2018, em eleições consideradas fraudulentas por grupos internos e observadores internacionais, e com o governo barrando rivais políticos de participar. O comparecimento às urnas foi o mais baixo desde a redemocratização, em 1958. Guaidó enfrenta dificuldades em manter a oposição unida após o desgaste da sua imagem devido à Operação Gideon, tentativa frustrada de invasão do país por mercenários para tirar Maduro do poder. Há suspeitas do envolvimento do líder opositor. Os EUA e a União Europeia anunciaram ainda que podem aliviar as sanções econômicas sobre o país se for instituído um governo de transição. Na última sexta, os EUA confiscaram petróleo de navios iranianos rumo à Venezuela, que enfrenta escassez de combustível.

Deixe um comentário