Fiscais fecham 36 bares e ao menos duas festas no fim de semana em São Paulo

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) – A fiscalização da Prefeitura de São Paulo interditou 36 bares e restaurantes no fim de semana por desrespeito às normas que impedem aglomerações e limitam em até as 22h o funcionamento dos estabelecimentos. Segundo o governo municipal, sob gestão de Bruno Covas (PSDB), o sábado (15) foi o dia com mais registros de interdições na cidade, somando 23 estabelecimentos. Os distritos com maior número de fechamentos neste dia foram Pirituba (6) e Santana (3), ambos na zona norte, e Mooca (3), na zona leste. Na sexta-feira (14), a prefeitura já havia interditado nove estabelecimentos, sendo a maioria (4) em Santana. No domingo (16), ocorreram quatro interdições em Pirituba (2), na zona norte, em Sapopemba (1) e Guaianases (1), ambas na zona leste. Desde o início da pandemia da Covid-19, o governo municipal disse ter interditado 1.001 estabelecimentos, dos quais 600 são bares ou restaurantes. Sábado na zona sul, fiscais realizaram uma operação para coibir baladas clandestinas na região do Ibirapuera (zona sul). Duas festas ilegais foram localizadas e acabaram aplicadas multas aos organizadores multas que somam R$ 150 mil (R$ 75 mil cada). O fim de semana ainda foi marcado por cenas de aglomeração de jovens, a maioria sem máscaras, em praças, casas noturnas e bares da capital e da Grande SP. Segundo a prefeitura da capital paulista, duas baladas clandestinas foram multadas em R$ 75 mil cada uma. Moradores das proximidades no largo Nossa Senhora do Bom Parto, na região do Tatuapé (zona leste), afirmam que nos últimos dois fins de semana dezenas de jovens se aglomeram para beber e ouvir música alta no local. Imagens captadas com celular mostram dezenas de jovens, aglomerados em grupos, em toda a praça. Havia, inclusive, um pancadão improvisado com música alta. Entre a noite de sexta (14) e a madrugada de sábado (15), mais uma vez a balada improvisada voltou a incomodar e vizinhos reclamaram nas redes sociais. A Polícia Militar foi chamada ao local. Em nota, a corporação disse que “como a situação [aglomeração] já havia sido iniciada, o policiamento nas imediações foi mantido, para garantir o direito de ir e vir das demais pessoas e evitar que o evento aumentasse”. Na internet, fotos tiradas na manhã de sábado mostram a praça cheia de garrafas de bebidas alcoólicas vazias, além de copos e sacos plásticos, largados no local após o pancadão. Grande SP Em Guarulhos, um bar também desrespeitou protocolos de prevenção à Covid-19, ficando aberto após as 22h e permitindo o ingresso de pessoas sem máscara no local. Dezenas de pessoas se aglomeram em balada de Guarulhos (Grande SP), desrespeitando protocolos de prevenção à Covid-19, entre a noite de sábado (15) e a madrugada de domingo (16). Parte dos clientes de bar não usava máscaras de proteção. Prefeitura afirmou fiscalizar região Ricardo Filho/IG-Guarulhos Segundo moradores, uma grande fila com pessoas aglomeradas se formou na entrada de um bar na rua Tapajós. O estabelecimento permitiu a entrada de público após as 22h de sábado (15) e funcionou até a madrugada de domingo (16). No local, boa parte dos clientes não usava máscaras e todos estavam próximos uns dos outros. Resposta A Prefeitura de São Paulo, gestão Bruno Covas (PSDB), afirmou fiscalizar estabelecimentos que descumprem a quarentena na cidade. Porém, o governo municipal não se posicionou sobre a aglomeração de jovens, ocorrida na praça da zona leste. A Prefeitura de Guarulhos, gestão Gustavo Henric Costa (PSB), conhecido como “Guti”, afirmou fiscalizar a rua mencionada pela reportagem, autuando locais que descumprem horário e outras determinações para a prevenção à Covid-19, “solicitando que o local [irregular] interrompa as atividades.” O governo acrescentou ter autuado dois estabelecimentos da rua Tapajós. Ao todo, a prefeitura da cidade da Grande SP garantiu ter autuado 578 comércios na cidade, desde o início da pandemia do novo coronavírus.

Deixe um comentário