MP-RJ abre sindicância sobre perda de prazo de caso Flávio Bolsonaro

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

RIO DE JANEIRO, RJ (FOLHAPRESS) – O Ministério Público do Rio de Janeiro instaurou uma sindicância para apurar como se deu o início da contagem do prazo perdido para recorrer da decisão que concedeu foro especial ao senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ). O procedimento foi aberto após a procuradora Soraya Gaya negar ao procurador-geral de Justiça do Rio de Janeiro, Eduardo Gussem, que tenha acessado pessoalmente a intimação eletrônica. A entrada no sistema do Tribunal de Justiça, no dia 2, antecipou em três dias o fim do prazo perdido pelo MP-RJ. Gussem relatou a procuradores, segundo a reportagem apurou, que a sindicância tem como objetivo verificar quais logins foram usados para abrir o sistema de contagem de prazo. O procurador-geral disse aos colegas que o procedimento foi aberto a pedido da própria procuradora. Em nota na terça-feira (11), o MP-RJ afirmou que a “procuradoria de justiça que atua na segunda instância” acessou a intimação eletrônica da decisão. Gaya é a responsável pela procuradoria na 3ª Câmara Criminal, que concedeu foro especial a Flávio. Defensora de foro especial em favor de Flávio no processo, Soraya Gaya já elogiou Bolsonaro nas redes sociais. A perda de prazo criou um clima de desconfiança no Ministério Público, alimentando suspeita de que Soraya tenha antecipado intencionalmente o prazo. O acesso lançou no sistema o registro de que o MP-RJ tinha tomado oficialmente ciência da decisão, dando início ao que a Justiça chama de fluência de prazo. A petição que oficializou a ciência, contudo, só foi protocolada no dia seguinte. Em junho, a 3ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça do Rio concedeu foro especial a Flávio. Pela decisão, o processo que investiga a prática de “rachadinha” no gabinete dele na Assembleia Legislativa do Rio saiu das mãos do juiz Flávio Itabaiana, da 27ª Vara Criminal, e passou para o Órgão Especial do TJ, colegiado formados por 25 desembargadores. O MP-RJ tentou um recurso à decisão, mas o Tribunal de Justiça alegou a perda de prazo e o rejeitou. A iniciativa da procuradora Soraya contrariou a programação definida pela Grupo de Atuação Especializada no Combate à Corrupção (GAECC/MPRJ) –responsável pela investigação do caso–, que pretendia dar início à contagem dos dias apenas na segunda-feira seguinte, dia 6 de julho. Em processos penais, a contagem começa no dia seguinte ao conhecimento das intimações, à exceção das vésperas de final de semana e feriados. Quando a intimação é formalmente recebida em uma sexta-feira, o prazo começa a valer na segunda-feira seguinte. A reportagem apurou que era essa a estratégia dos promotores que, por terem acessado o sistema na sexta-feira, 3 de julho, agiram como se esse fosse o pontapé inicial para apresentação de recurso. Em nota, o Ministério Público afirmou que a procuradoria-geral só havia tomado ciência da decisão na sexta-feira (3). Mas o acesso de Soraya já estava registrado no sistema um dia antes. Pelas regras, a Justiça lança uma decisão no sistema. O Ministério Público tem até dez dias para tomar ciência de uma decisão, o que dá início à contagem, que é de 15 dias corridos. Ao acionar o sistema no dia 2, Soraya fez com que o prazo expirasse em 17 de julho. A reportagem apurou que os promotores não se deram conta do acesso do gabinete de Soraya e trabalharam como se a contagem tivesse sido iniciada na segunda-feira (6). Por esse cronograma, o prazo expiraria no dia 20 de julho, exatamente o dia em que o MP-RJ apresentou o recurso e acabou perdendo o prazo. Em julho de 2019, por exemplo, ela compartilhou o vídeo de um canal seguido por apoiadores do presidente em que Jair Bolsonaro defende as políticas ambientais de seu governo e questiona dados sobre desmatamento. “Gostei das respostas dele, bem objetivo.” Também no ano passado, em outubro, a procuradora –que costuma enfeitar suas fotos nas redes sociais com uma bandeira do Brasil– publicou a notícia de que Bolsonaro pretendia obrigar presos a trabalhar e perguntou o que os amigos achavam disso. A procuradora manteve suas postagens mesmo depois de a Folha de S.Paulo revelar o parecer em que ela defendia a concessão de foro especial a Flávio. Há um ano, Soraya se manifestou em favor do foro especial em resposta ao habeas corpus impetrado pelos advogados do senador. Na manifestação, a procuradora disse que Flávio teria cometido supostos crimes “escudado pelo mandato que exercia à época”. Ela também disse que, sendo ele o filho do presidente, havia grande “interesse da nação no desfecho da causa e em todos os movimentos contrários à boa gestão pública”. Ao defender a concessão de foro especial ao senador, a procuradora afirmou que não lhe parecia a melhor postura querer julgar Flávio “de forma unilateral e isolada, quando o mesmo tem uma função relevante e que a todos interessa”. “Existe uma tendência em extirpar o chamado foro privilegiado, que de privilégio não tem nada. Trata-se apenas de um respeito à posição ocupada pela pessoa. Assim, é muito mais aparentemente justo ser julgado por vários do que apenas por um, fica mais democrático e transparente”, escreveu. Na manifestação, Soraya disse também que o juiz Itabaiana tem carregado sozinho “um grande fardo nos ombros” e que “nem Cristo carregou sua cruz sozinho”. Foi Itabaiana quem autorizou a quebra do sigilo fiscal e bancário de Flávio Bolsonaro e a prisão de seu ex-assessor Fabrício Queiroz. Assinado pela advogada Luciana Pires, o pedido que garante foro especial ao senador questionou a competência da primeira instância para julgar o caso. A advogada argumentou que Flávio era deputado estadual na época dos fatos e que, portanto, teria foro especial. Nesta quinta-feira, a desembargadora Elisabete Filizzola Assunção, terceira vice-presidente do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro, decidiu não aceitar recurso devido à expiração do prazo. Na decisão, a desembargadora afirma que “o prazo do recurso começou sua fluência no dia seguinte, ou seja, 03 de julho, terminando, assim, no dia 17 de julho de 2020. Considerando que a interposição dos referidos recursos se deu em 20 de julho de 2020, conclui-se por sua intempestividade”. O MP-RJ tem cinco dias para recorrer ao STJ (Superior Tribunal de Justiça). No Ministério Público, o mal-estar não se restringem às dúvidas acerca de eventuais intenções de Soraya, mas também ao fato de promotores terem perdido o prazo. Na tarde desta quinta-feira (13), em email encaminhado à assessoria do MP-RJ, a reportagem pediu para entrevistar quem tinha dado início à contagem do prazo. Em nota, o Ministério Público afirmou que a Procuradoria de Justiça só havia tomado ciência da decisão na sexta-feira (3). Mas que o acesso de Soraya já estava registrado no sistema um dia antes. Ela não foi localizada pela reportagem. Em um desabafo feito a amigos, Soraya negou que ser apoiadora do presidente Jair Bolsonaro, dizendo não gostar de política. Disse também que não abriu o sistema pois sua tese foi acolhida integralmente pela Justiça e o acesso à intimação interessava apenas aos que pretendiam apresentar o recurso. Soraya encerrou a mensagem dizendo-se cansada de ter celular grampeado e o computador bugado.

Deixe um comentário