Seis maiores partidos de oposição na Hungria se unem para tentar derrubar Orbán em 2022

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) – Os seis principais partidos de oposição da Hungria anunciaram nesta quinta (13) que vão concorrer com candidato e programa únicos, para tentar derrubar a coalizão governista do primeiro-ministro Viktor Orbán nas eleições de 2022. Os líderes da Coalizão Democrática (DK), do Partido Socialista Húngaro (MSZP), Jobbik, Momentum, Párbeszéd (Diálogo) e A Política Pode Ser Diferente (LMP) concordaram em apresentar um único candidato em cada um dos 106 distritos eleitorais da Hungria, contra os nomes dos partidos Fidesz, de Orbán, e KDNP, que integra a coalizão. Os nomes serão definidos em negociações e primárias, anunciaram os políticos em comunicado, no qual se comprometem a governar conjuntamente o país com base na plataforma e nos princípios comuns acordados. A estratégia de candidato único deu resultados nas eleições municipais do ano passado, em Budapeste e em metade das maiores cidades do país, e numa eleição suplementar para o distrito de Dunaújváros, em fevereiro deste ano. Toda a oposição apoiou o mesmo candidato, que venceu com maioria expressiva. A oposição tentará repetir o sucesso em outra eleição suplementar, para o distrito de Borsod-Abaúj-Zemplén, ainda este ano. Se conquistarem esse assento, a coalizão do Fidesz perderá a maioria de dois terços no Parlamento húngaro. Se a intenção de se unir para as eleições gerais vingar, será a primeira vez que a estratégia será experimentada no Parlamento, o que, segundo o político húngaro Péter Márki-Zay, do Movimento de Todos (Mindenki Magyarországa Mozgalom), poderia dar aos oposicionistas dois terços dos assentos, como afirmou ao site independente 444. O 444 reproduz estatísticas eleitorais segundo as quais, dos 91 distritos que o Fidesz conquistou em 2018, 44 lhe deram menos de 50% dos votos. A aposta da oposição é que, com um candidato único, suas chances nessas seções eleitorais crescem. Para escolher o candidato a primeiro-ministro de 2022 e os nomes para os distritos a oposição deve realizar pré-eleições, segundo o jornal independente húngaro Népszava, a não ser nos locais em que houver claros favoritos. “A única coisa que temos em mente é a escalação que mais facilmente derrotará o Fidesz nas eleições de 2022”, afirmou Momentum, partido que liderou o protesto contra o aumento de controle de Orbán sobre a mídia húngara, no mês passado.

Deixe um comentário