BNDES tem prejuízo de R$ 582 milhões no segundo trimestre

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

RIO DE JANEIRO, RJ (FOLHAPRESS) – Com aumento de provisões para calote e perdas em sua carteira de ações, o BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social) registrou prejuízo de R$ 582 milhões no segundo trimestre de 2020. Foi o primeiro prejuízo desde o segundo trimestre de 2016, quando o banco perdeu R$ 3 bilhões. Em entrevista para detalhar o balanço, o banco diz já ter disponibilizado R$ 59,3 bilhões, em recursos próprios ou do Tesouro, para socorrer empresas em dificuldades financeiras durante a pandemia. A crise reverteu curva de queda em consultas e aprovações de novos financiamentos. A diretora financeira do BNDES, Bianca Nasser, frisou que o prejuízo do segundo trimestre foi contábil, resultado da ampliação em R$ 300 milhões das provisões para risco de crédito e da perda de R$ 1,2 bilhão com empresas em que o banco tem participação, principalmente a JBS. Sem esses fatores não recorrentes, disse ela, o resultado seria lucro de R$ 1,3 bilhão. “O cenário macroeconômico foi responsável pelos principais impactos do balanço”, disse ela. No primeiro semestre, o banco acumula lucro de R$ 5 bilhões. O desempenho em 2020 tem forte influência da política de redução da carteira de ações do banco. Em fevereiro, o BNDES vendeu R$ 22 bilhões e ações da Petrobras, na segunda maior oferta de ações já feita no país -perdendo apenas para a própria capitalização da estatal, em 2010. Ao todo, o banco já se desfez de R$ 33,7 bilhões em ações, com ganho líquido de R$ 29 bilhões. Sem os efeitos não recorrentes no balanço, o lucro do primeiro trimestre seria de R$ 3,7 bilhões, informou a executiva. Em agosto, o banco vendeu R$ 8,1 bilhões em ações da Vale. Essas operações são parte de uma estratégia para reduzir o tamanho de sua carteira de participações, que valia R$ 77,3 bilhões ao fim de junho e tem grande concentração em poucas empresas, como a Petrobras, a JBS e a Vale. Com a pandemia, o BNDES vem experimentando crescimento em suas operações de crédito após anos de queda. No segundo trimestre, o banco desembolsou R$ 17,5 bilhões, 65% a mais que mesmo período do ano anterior. Com o programa emergencial de suspensão de pagamentos de parcelas dos financiamentos, a receita com liquidações caiu em R$ 21 bilhões. Assim, a carteira de crédito do banco cresceu para R$ 444,3 bilhões. Um dos alvos de críticas sobre as dificuldades do governo para conceder crédito a empresas durante a pandemia, o BNDES diz que o volume de recursos já emprestado por programas emergenciais que coordena chega perto de R$ 60 bilhões. Nasser citou como principal destaque o programa de capital de giro para pequenas e médias empresas, que tinha orçamento original de R$ 5 bilhões, mas o valor foi dobrado diante da alta demanda. Até hoje, já emprestou R$ 6,4 bilhões a 19,6 mil empresas. A suspensão de pagamentos já soma R$ 8 bilhões em operações diretas, com 430 empresas atendidas, R$ 4,4 bilhões para operações indiretas, para 28,5 mil empresas. Segundo Nasser, representa cerca de 30% da carteira do banco. Ela lembrou que o banco trabalha ainda junto ao governo federal em dois novos programas: um que dá garantia do Tesouro aos financiamentos contratados por pequenas empresas e outro que vai emprestar recursos por meio de operadoras de maquininhas de cartões.] O objetivo do banco é tentar melhorar o acesso ao crédito pelos pequenos empreendedores, que hoje esbarram na falta de garantias para oferecer ao setor privado. A expectativa é que a oferta de garantias possa destravar até R$ 100 bilhões, mas o programa ainda não saiu do papel. “Dedicamos muitos esforços para colocar [o programa] de pé e realmente consideramos que o impacto vai ser muito positivo”, disse ela. O banco diz esperar em breve também a primeira operação de socorro ao setor aéreo, um dos mais atingidos pela crise. Segundo o diretor de Privatizações, Leonardo Cabral, a assinatura de contratos depende de renegociação das companhias com seus credores privados, que vem avançando. O BNDES ampliou de R$ 2,4 bilhões para R$ 3,6 bilhões o valor disponível para o setor. O modelo em negociação prevê um pacote com dinheiro e títulos lastreados em ações. O BNDES entraria com 60% do valor, deixando 10% para credores e o restante, para o mercado de capitais.

Deixe um comentário