Organização social anuncia que vai demitir todos os funcionários da Cinemateca

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) – A Acerp (Associação de Comunicação Educativa Roquette Pinto) informou na tarde desta quarta (12) que terá que demitir todos os funcionários da Cinemateca Brasileira. A expectativa é que as demissões ocorram a partir de quinta (13). O anúncio foi feito em reunião com Francisco Câmpera, diretor da Roquette Pinto, e coordenadores da instituição. Funcionários foram informados no começo da noite. No total, são cerca de 40 funcionários das áreas preservação, documentação e pesquisa, difusão, atendimento, administração e tecnologia da informação. À reportagem, Câmpera diz que “insistiu com o secretário substituto do Audiovisual para que os funcionários fossem mantidos ou recontratados mas que infelizmente não obteve nenhum compromisso formal”. “Este último esforço foi realizado com a presença de várias testemunhas como a imprensa, deputados, vereadores e entidades do setor”, afirma Câmpera. Leia nota enviada à reportagem abaixo. Na sexta (7), o secretário substituto do Audiovisual, Helio Ferraz de Oliveira, esteve na Cinemateca para assumir as chaves da instituição. A Polícia Federal acompanhou a operação. ​Na data, o Ministério do Turismo informou que foi encerrado o “processo de transferência de posse para a União”. Dessa forma, a Associação de Comunicação Educativa Roquette Pinto deixa de administrar a Cinemateca. Na segunda (10), o Ministério Público Federal (MPF) protocolou recurso no Tribunal Federal da 3ª Região (TRF-3) contra a decisão da Justiça em ação contra a União por abandono da Cinemateca Brasileira. Na semana passada, a Justiça negou um pedido de tutela provisória do MPF, que pedia, em caráter de urgência, a renovação de contrato com a Acerp (Associação de Comunicação Educativa Roquette Pinto) até o fim de 2020 —o último contrato vigente terminou em 2019— para a gestão da Cinemateca e execução de seu orçamento de R$ 12,2 milhões.​ Na segunda (10), o procurador Gustavo Torres Soares interpôs um agravo de instrumento no TRF-3. Ele voltou a pedir que seja renovado o contrato com a Acerp até o fim do ano, enquanto a União planeja solução a longo prazo, assim como liberados os recursos orçamentários. O procurador também reforçou a necessidade de se manter mobilizado o corpo técnico de funcionários especializados, “cuja desmobilização (por mera dispensa ou ausência reiterada de pagamento) causará irreparável prejuízo imaterial à União”. Leia a nota de Francisco Câmpera: “No último dia 7 em que a Secretaria Especial de Cultura chegou para assumir a Cinemateca, junto com um contingente da Polícia Federal, Francisco Câmpera insistiu com o secretário substituto do Audiovisual para que os funcionários fossem mantidos ou recontratados mas que infelizmente não obteve nenhum compromisso formal. Este último esforço foi realizado com a presença de várias testemunhas como a imprensa, deputados, vereadores e entidades do setor.”

Deixe um comentário