Justiça manda bloquear premiação do Corinthians pelo vice do Paulista

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) – O Corinthians mal teve tempo de planejar o que fazer com a premiação pelo segundo lugar no Campeonato Paulista. O juiz Luis Fernando Nardelli, da 3ª Vara Cível de São Paulo, determinou o bloqueio de R$ 1.594.385,00, quase a totalidade da premiação, para saldar dívida do clube com o Instituto Santanense de Ensino. A decisão foi publicada nesta quarta-feira (12) no Diário Oficial. Ainda cabe recurso ao Corinthians. Nardelli pede para oficializar a FPF (Federação Paulista de Futebol) da sua sentença. “Defiro a expedição de ordem à Federação Paulista de Futebol com o fito de bloquear e transferir para a conta judicial vinculada a este juízo o valor da premiação destinada ao executado Sport Club Corinthians Paulista até o limite de R$ 1.594.385,09, referente ao Campeonato Paulista de Futebol Profissional”, despachou o juiz. Com o bloqueio, restará ao Corinthians pouco mais de R$ 50 mil, do total de R$ 1.650.000, referente ao segundo lugar no Campeonato Paulista. Procurado pela Folha, o clube não se manifestou até a publicação deste texto. O processo tramita desde 2008. Inicialmente, o Instituto Santanense de Ensino Superior cobrava R$ 2,5 milhões do clube -o Corinthians, depois de um acordo, pagou uma parcela de R$ 431 mil em março de 2019. O caso ficou bastante conhecido quando o Tribunal de Justiça Desportiva chegou a penhorar, em novembro de 2018, a taça do Mundial de Clubes de 2012, conquistada pelo Corinthians após vitória por 1 a 0 contra o Chelsea, no Japão. Apesar da penhora do troféu, o clube não ficou um dia sequer sem o objeto. Somente foi impedido de realizar atividades com a taça e também ficou proibido de vendê-la. A taça até poderia ser leiloada, caso a dívida não fosse quitada, mas o Corinthians obteve uma decisão suspendendo a penhora. Ainda em 2018, Corinthians e Instituto disseram que haviam chegado em um acordo e aparado a desavença. A UniSant’Anna, de propriedade do Instituto, tinha um espaço no Parque São Jorge, sede social do Corinthians na zona leste de São Paulo. O local era alugado e servia como campus para a universidade. No entanto, a faculdade passou a alegar que o clube alvinegro impedia o acesso de alunos e funcionários, o que motivou o instituto a buscar uma indenização na Justiça. Em 2010, o Corinthians foi condenado. Após vários recursos, a instituição tenta até hoje receber os valores aos quais tem direito.

Deixe um comentário