Guedes avalia solução interna após demissão de secretários

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) – O ministro da Economia, Paulo Guedes, avalia experimentar soluções internas para substituir os dois secretários especiais que pediram demissão da pasta nesta terça-feira (11). A ideia considerada pelo ministro dispensaria a necessidade de convidar nomes do setor privado. Auxiliares do ministro afirmam que uma decisão desse tipo pode gerar menos desgaste e sinalizar continuidade na atuação da pasta. A decisão ainda não está fechada. As duas baixas recentes foram de Salim Mattar (Desestatização), que cuidava do plano de privatizações do governo, e Paulo Uebel (Desburocratização), responsável pela reforma administrativa, que busca reestruturar o serviço público. Interlocutores do ministro criticaram os secretários pela demissão repentina, feita em conjunto e sem planejamento, o que pode arranhar a imagem da pasta. Técnicos afirmam ainda que a saída de Mattar teria sido comunicada primeiro ao presidente Jair Bolsonaro, o que gerou descontentamento na pasta. Sob o diagnóstico que o PPI (Programa de Parcerias de Investimentos) não se integrou bem ao Ministério da Economia ao ser deslocado do Palácio do Planalto para a pasta neste ano, está em avaliação um rearranjo. A secretaria do PPI, chefiada por Martha Seillier, pode ser fundida à secretaria agora desocupada por Mattar. Martha construiu carreira no setor público, já passou pela Secretaria de Aviação Civil e foi presidente da Infraero. Na secretaria de Desburocratização, deixada por Paulo Uebel, um nome cotado é o de Gleisson Rubin, atual secretário especial adjunto do órgão. Rubin é servidor, especialista em políticas públicas e gestão governamental. Ja atuou no Ministério da Educação, na Secretaria de Direitos Humanos da Presidência, na Escola Nacional de Administração pública e no extinto Ministério do Planejamento. No governo Michel Temer, foi um dos responsáveis pela formulação da proposta de reforma administrativa. Foi mantido no governo na gestão Bolsonaro, também com a função de elaborar a proposta, que diminui o número de carreiras no serviço público, reduz salários de entrada, acaba com a estabilidade no cargo e cria metas de desempenho para os servidores. O texto não foi formalmente apresentado e sofre com resistência de Bolsonaro. A decisão sobre o futuro das secretarias ainda está em aberto e segue em discussão por Guedes. Se confirmada, a medida seria semelhante à promoção de Bruno Bianco ao comando da secretaria especial de Previdência e Trabalho. Quando o então secretário Rogério Marinho foi deslocado para o Ministério do Desenvolvimento Regional, Bianco, que era seu subordinado, foi alçado ao comando da secretaria.

Deixe um comentário