GM vai dar carro para quem aceitar demissão voluntária

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) – A General Motors (GM) pretende dar um carro a trabalhadores que aderirem ao novo PDV (programa de demissões voluntárias), num momento em que a montadora busca adequar suas plantas à queda de produção gerada pela pandemia do novo coronavírus. Segundo sindicato, a oferta de veículos é comum em PDVs realizados por montadoras e já foi oferecido pela própria GM em programas de demissão anteriores. Conforme dados da Anfavea (associação das montadoras), 3.500 trabalhadores do setor automotivo já foram demitidos durante a pandemia, sendo 1.484 deles apenas no mês de julho. A proposta de PDV da GM foi apresentada a funcionários de ao menos duas fábricas da empresa, em São José dos Campos e São Caetano do Sul (SP). A montadora também tem unidade de produção de veículos em Gravataí (RS), além de uma fábrica de peças de reposição em Mogi das Cruzes (SP) e outra de motores em Joinville (SC). Segundo o Sindicato dos Metalúrgicos de São José dos Campos e Região, os benefícios oferecidos a quem aderir ao PDV na unidade incluem salários adicionais, extensão do convênio médico e um carro Onix Joy Black. Pela tabela apresentada ao sindicato, trabalhadores com um a três anos de fábrica não recebem benefícios. De quatro a dez anos, o benefício é de 3,5 salários, mais 12 meses de convênio médico. A partir de 11 anos de fábrica, a empresa oferece ao trabalhador também um veículo da marca. Além do PDV, a GM quer estender por mais dois meses o layoff (suspensão temporária de contratos de trabalho) de ao menos 1.100 trabalhadores que terminaria em 12 de setembro. Os funcionários receberiam a totalidade de seus salários, sendo R$ 1.813 pagos pelo governo e o complemento pago pela empresa. Ainda conforme o sindicato, a montadora propôs também que, se após esse período o mercado automotivo não reagir, haveria a prorrogação do layoff por mais cinco meses. Neste caso, a GM arcaria com a íntegra do salário líquido. A planta de São José tem atualmente 3.800 trabalhadores, segundo a entidade sindical. Parte deles já voltou ao trabalho, após suspensão de contratos para todos em abril. Outros 360 devem retornar à fábrica nesta quinta-feira (13) e cerca de 1.100 ainda estarão em lay off após esse período. “O sindicato entrou nessa negociação com a bandeira da manutenção do emprego e pela estabilidade. Não queremos demissões em massa aqui na região, como o que aconteceu com a Renault no Paraná”, afirma Renato Almeida, vice-presidente do sindicato. A Renault demitiu em julho 747 funcionários de sua fábrica em São Jose dos Pinhais, região metropolitana de Curitiba (PR). A demissão em massa foi, no entanto, revertida por decisão judicial e a empresa acabou readmitindo os funcionários após um acordo ser fechado. “Qualquer alternativa para que não haja demissão, o sindicato vai apoiar. Somos contra o PDV, mas se os trabalhadores quiserem aderir, não vamos nos opor”, diz Almeida. Segundo o sindicalista, as propostas da empresa deverão ser avaliadas pelos trabalhadores da planta de São José em assembleia no fim da próxima semana, provavelmente em votação online. Em São Caetano do Sul, onde a GM emprega 4.414 trabalhadores, segundo o sindicato local, a proposta da empresa de prorrogação do lay off, renovação de banco de horas e criação de um novo PDV já foi aceita pelos funcionários. A prorrogação do lay off foi aprovada por 95% dos votantes em assembleia virtual realizada nesta terça-feira (12); a renovação de banco de horas por 86%; e a criação de um novo PDV por 70% dos votantes, segundo o site Mundo Sindical. Procurada, a GM afirmou em nota que “desde o início das medidas de isolamento social decorrente da pandemia de Covid-19 no Brasil e no mundo e suas implicações econômicas, vem tomando uma série de medidas para, nesta ordem, proteger a saúde e segurança de seus empregados, fornecedores e parceiros, preservar empregos e garantir a sustentabilidade do negócio.” Ainda segundo a empresa, “dentro deste contexto, vem utilizando mecanismos como redução de custos, postergação de investimentos, banco de horas, férias coletivas, redução de jornada com redução salarial e layoff.” Conforme a GM, as especificidades de cada operação da empresa no Brasil estão sendo tratadas com os respectivos sindicatos. Segundo dados a Anfavea, foram produzidos 899,6 mil veículos no Brasil de janeiro a julho deste ano, uma queda de 48% em relação aos 1,74 milhão de veículos produzidos em igual período de 2019. A General Motors licenciou 147 mil veículos nos sete primeiros meses do ano, conforme a associação, contra 237,9 mil no mesmo período do ano passado, recuo de 38%. A média de licenciamentos da empresa, que era de 34 mil veículos por mês de janeiro a julho do ano passado caiu a 21 mil este ano, devido à pandemia. A montadora atingiu menor volume de licenciamentos em maio, com apenas 8,2 mil veículos emplacados naquele mês. Em julho, os emplacamentos já somam 25,5 mil, três vezes o número registrado no pior mês, mas ainda 30% abaixo de julho de 2019.

Deixe um comentário