Caixa Seguridade retoma IPO e vai ao segmento de maior governança na Bolsa

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) – A Caixa Econômica Federal quer retomar o processo de abertura de capital de seu braço de seguros na Bolsa de Valores brasileira. O banco protocolou junto à CVM (Comissão de Valores Mobiliários), nesta quarta-feira (12), os pedidos para retomada do registro da oferta pública de distribuição secundária de ações da Caixa Seguridade e de listagem no Novo Mercado -segmento de mais alto nível de governança da B3. A oferta, agora, será secundária, ou seja, o dinheiro arrecadado irá para a Caixa Econômica, e não para a Caixa Seguridade. No segmento de Novo Mercado, as companhias assumem, voluntariamente, políticas de governança acima do que exige a legislação. A listagem no setor também só permite a emissão de ações com direito a voto (ordinárias). O segmento é recomendado para ofertas grandes e a todos os tipos de investidores. O pedido ocorre após o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) editar, na semana passada, uma MP (Medida Provisória) para permitir que a Caixa abra o capital das suas subsidiárias, entre elas a de seguros e cartões. A MP encaminhada ao Congresso autoriza as subsidiárias do banco público a incorporar ações de outras sociedades empresariais e a adquirir controle societário ou participação minoritária em empresas privadas. Em 16 de julho, o banco já havia anunciado a retomada do processo de IPO, interrompido em março em razão da crise do coronavírus. A expectativa do mercado é que a Caixa Seguridade levante mais de R$ 10 bilhões com a operação, que teria potencial para ser uma das maiores ofertas do ano. Analistas também alimentam a expectativa de que a oferta inicial de ações da Caixa Cartões ocorra em breve e seja concluída até o ano que vem. Na fila para a entrada na Bolsa brasileira, ainda estão as Lotéricas e a Caixa Asset Management (braço de gestão de recursos do banco). Em maio, o presidente da Caixa, Pedro Guimarães, já havia afirmado que apesar de a abertura de capital de suas companhias ser uma prioridade, os IPOs não seriam feitos a qualquer preço. “Tudo é uma questão do impacto econômico e social da pandemia, e existe zero chance de abrirmos capital para vender a qualquer preço. Só faremos o IPO quando o mercado precificar o que achamos que vale”, disse Guimarães na época. Além do ambiente propício para a precificação das ações, também é considerado importante concluir uma avaliação sobre os impactos que o IPO da Caixa Seguridade poderia ter na operacionalização de suas joint ventures (associação entre duas empresas) em fevereiro de 2021. A Caixa Seguridade já anunciou duas joint ventures: uma com a Tokio Marine, para vender seguro habitacional e residencial, e outra com a Icatu Seguros, para capitalização. O IPO será coordenado por um grupo de bancos, que inclui, além da própria Caixa, os americanos o Morgan Stanley e Bank of America, o suíço Credit Suisse, bem como Itaú BBA e Banco do Brasil.

Deixe um comentário