Secretário de Covas deixa cargo e deve puxar fila após candidatura de Russomanno

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) – O secretário de Habitação da gestão Bruno Covas (PSDB), João Farias, deixará o cargo após o anúncio da pré-candidatura de Celso Russomanno à Prefeitura de São Paulo pelo Republicanos. Como é secretário estadual do partido, Farias diz que preferiu sair da administração municipal para evitar constrangimentos para os concorrentes. Ele oficializará sua saída na quinta-feira (13). Segundo apurou a reportagem, Farias deve puxar a fila de uma série de saídas voluntárias ou mesmo exonerações de membros do Republicanos da prefeitura. Republicanos e PSDB negociavam a possibilidade de que Russomanno fosse vice na chapa de Covas. Com o insucesso dessas tratativas até o momento, agudizado pela decisão do ex-PRB de lançar candidato próprio, os membros do partido deixarão progressivamente o Executivo da capital. “Sou secretário geral estadual do partido. Como decidimos ter candidatura própria, minha presença no governo poderia causar constrangimento tanto para o Celso como para o Bruno. É saudável, tranquilo, sem criar ruptura na secretaria. Por isso preferi colocar o cargo à disposição”, afirma Farias. “Não foi uma decisão do governo de demitir o pessoal do Republicanos. Foi do secretário. Mas é natural que meu adjunto, meu chefe de gabinete, meu assessor de imprensa, não se sintam à vontade de continuar no governo. Mas é uma decisão pessoal deles”, completa. Como partido da base da prefeitura, o Republicanos tem diversos indicados em cargos da gestão municipal. Nos últimos anos, em mais de uma ocasião Covas exonerou indicados do Republicanos que trabalhavam na prefeitura depois que vereadores do partido não votaram como o governo esperava em projetos importantes na Câmara Municipal . Sobre seu trabalho como secretário de Habitação e seu legado, Farias faz um balanço. “Entregamos mais de 7.000 unidades habitacionais. Até o final de agosto, o prefeito vai entregar mais 2.000. Não bastasse entrega de unidades, que ao final do mandato do Bruno será o dobro em relação ao governo passado [Fernando Haddad (PT)], deixo a criação do Pode Entrar, uma resposta de São Paulo ao congelamento do Minha Casa, Minha Vida Faixa 1 pelo governo federal”, afirma. “São Paulo vai voltar a fazer habitação sem ajuda financeira do governo federal. E é para as pessoas do Minha Casa, Minha Vida que precisam de habitação mas não têm renda formal, que têm o nome negativado, ganham no máximo três salários mínimos. É o grande legado que a gente deixa a partir de 2021. Atender um público que precisa muito e que deixou de ser atendido pelo governo federal”, completa. Procurada pela reportagem, a prefeitura confirmou a saída de Farias e listou seus feitos durante o período que esteve à frente da pasta. “A Prefeitura de São Paulo informa que o secretário municipal de Habitação, João Farias, deixará a gestão nos próximos dias para retomar as suas atividades partidárias”, começa a nota. “Nesse período, foram entregues 28 conjuntos residenciais, totalizando 7.303 mil unidades habitacionais. Contribuiu, também com o desenvolvimento do programa municipal de habitação Pode Entrar, atualização do cadastro do Auxílio Aluguel, lançamento do edital de canalização do córrego Antonico, em Paraisópolis, criação do projeto de habitação popular no terreno do antigo prédio Wilton Paes de Almeida e a realização das pré-conferências da 2ª Conferência Municipal de Habitação”, conclui.

Deixe um comentário