Com pandemia, Dia do Pendura tem restaurantes esvaziados em SP

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) – Ficou para o ano que vem a tradição do Dia do Pendura. Diante do perigo de contaminação pelo novo coronavírus e dos protocolos sanitários restritivos, estabelecimentos no centro de São Paulo não receberam clientes que costumam aparecer para a comemoração nesta terça (11). Nela, advogados consomem em algum restaurante ou bar e não pagam a conta. A brincadeira, que às vezes não acaba bem, é feita na mesma data em que se celebra o Dia do Advogado, 11 de agosto. “É difícil manter uma tradição numa situação tão triste”, diz Percival Maricato, presidente da Associação de Bares e Restaurantes de São Paulo (Abrasel). Maricato estima que entre 20% e 30% dos estabelecimentos já fecharam as portas por conta da pandemia. No Ponto Chic, tradicional restaurante no Largo do Paissandú, centro de São Paulo, ninguém pendurou a conta nesta terça, mas isso não foi motivo de alegria para Rodrigo Alves, sócio do restaurante. “Eu preferia ‘tomar o pendura’ hoje do que viver essa situação toda da pandemia, das restrições do protocolo”, diz. Alves afirma que o restaurante vem ocupando totalmente a lotação permitida pelos protocolos, de 40% da capacidade total, o que aponta uma recuperação. “Vejo como algo gradativo, as pessoas vão se sentindo mais seguras e vamos melhorando. Mas ainda não atingimos o equilíbrio nas contas”, afirma. A tradição nasceu na Faculdade de Direito, no Largo São Francisco, centro de São Paulo. O Dia dos Advogados remete à fundação da faculdade, em 11 de agosto de 1827, segundo lei assinada por D. Pedro I, então imperador do Brasil, menos de cinco anos após a independência do país. O presidente da Associação de Bares e Restaurantes lembra que antigamente os donos de restaurantes próximos da faculdade até incentivavam o pendura, na tentativa de atrair clientes advogados. Depois que a tradição se expandiu para além da faculdade e de seu entorno, e com o aumento dos cursos de Direito, ela ficou impraticável. “Além disso, os restaurantes costumam estar num equilíbrio muito precário entre despesas e receita”, diz Maricato. Próximo à Faculdade de Direito, o tradicional restaurante Itamarati inverteu a lógica da tradição e criou a campanha do Despendura, para que clientes colaborem com o restaurante sem consumir. O restaurante também vendeu salgadinhos sob encomenda. O Itamarati chegou a anunciar o fechamento em maio, demitiu funcionários, mas foi ajudado por um grupo de advogados. No Dia da Pendura, no entanto, com a pandemia do lado de fora, os salões permaneceram fechados na hora do almoço.

Deixe um comentário