Brasil tem 1.242 novas mortes por Covid-19 e total de óbitos passa de 103 mil

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) – O Brasil registrou 1.242 mortes por Covid-19 e 56.081 novos casos da doença nesta terça-feira (11). O país acumula 103.099 óbitos e mais de 3 milhões de infectados na pandemia do novo coronavírus. Os dados são fruto de colaboração inédita entre Folha de S.Paulo, UOL, O Estado de S. Paulo, Extra, O Globo e G1 para reunir e divulgar os números relativos à pandemia do novo coronavírus. As informações são coletadas diretamente com as Secretarias de Saúde estaduais. O balanço é fechado diariamente às 20h. Além dos dados diários do consórcio, a Folha também mostra a chamada média móvel. O recurso estatístico busca dar uma visão melhor da evolução da doença, pois atenua números isolados que fujam do padrão. A média móvel é calculada somando o resultado dos últimos sete dias, dividindo por sete. De acordo com os dados coletados até as 20h, a média de mortes nos últimos sete dias é de 1.000, o que mantém uma posição de estabilidade nos dados, embora com números elevados. A média móvel de mortes das regiões mostra que o Sul e o Sudeste ainda permanecem com expansão da pandemia, com aumento de 22% e 6%, respectivamente, em relação à média de 14 dias atrás. No Centro-Oeste, onde o coronavírus ainda preocupa, houve queda de apenas 2% na média móvel. As maiores quedas foram nas regiões Nordeste (15%) e Norte (25%). O Brasil tem uma taxa de cerca de 48,5 mortos por 100 mil habitantes. Os Estados Unidos, que têm o maior número absoluto de mortos, e o Reino Unido, ambos à frente do Brasil na pandemia (ou seja, começaram a sofrer com o problema antes), têm 50 e 69,5 mortos para cada 100 mil habitantes, respectivamente. O México, que ultrapassou o Reino Unido em número de mortos, tem 40 mortes para cada 100 mil habitantes. Na Argentina, onde a pandemia desembarcou nove dias mais tarde que no Brasil e que seguiu uma quarentena muito mais rígida, o índice é de 10,6 mortes por 100 mil habitantes. A iniciativa do consórcio de veículos de imprensa ocorre em resposta às atitudes do governo Jair Bolsonaro (sem partido), que ameaçou sonegar dados, atrasou boletins sobre a doença e tirou informações do ar, com a interrupção da divulgação dos totais de casos e mortes. Além disso, o governo divulgou dados conflitantes.

Deixe um comentário