Chuva mata 18 e deixa 72 cidades em situação de emergência na Bahia

Cerca de 16 mil pessoas estão desabrigadas e mais de 19 mil ficaram desalojadas. Pelo menos duas barragens se romperam no estado
Governo do Estado da Bahia realiza ações emergenciais no Km 30 da BA-284, após as fortes chuvas na região. (Foto: Michelle Matos/Ascom /SEINFRA)

O governador da Bahia, Rui Costa, decretou, neste domingo (26), situação de emergência em mais 47 municípios devido aos estragos causados pelos temporais que atingem especialmente o sul e o sudoeste do estado. Com isso, subiu para 72 o número de cidades nesta situação. Foi confirmada ainda mais uma morte, aumentando para 18 o total de óbitos. Pelo menos duas barreiras se romperam.

As tempestades afetam cerca de 400 mil pessoas. De acordo com os dados repassados pelos municípios e totalizados pela Superintendência de Proteção e Defesa Civil da Bahia (Sudec), o Estado tem 16 mil e um (16.001) desabrigados pelas chuvas, 19.580 desalojados, dois desaparecidos e 18 mortos. “Na história recente da Bahia, não lembro de tragédia tão grande”, disse Rui Costa.
“Nós temos 37 cidades com várias comunidades embaixo d’água”, afirmou.

Em algumas localidades, rios subiram 10 metros e deixaram municípios inteiros cobertos. Há estradas bloqueadas por deslizamentos. Com isso, moradores de alguns distritos estão completamente isolados, o que dificulta as operações de salvamento.

O governador sobrevoou municípios atingidos e explicou que o aumento no número de cidades em situação de emergência se deu pela cheia de rios, que continuam a subir: “Embora a chuva tenha dado uma trégua, a água continua subindo muito naquelas cidades que estão abaixo de barragens, abaixo de rios”.

Casas, lojas e agências bancárias amanheceram alagadas neste domingo (26), no centro do município de Itabuna, no sul do estado, após o Rio Cachoeira subir nove metros. Segundo a prefeitura do município, apenas no sábado, foi registrada uma chuva de 107 milímetros na região. Mais de 600 famílias ficaram desabrigadas ou desalojadas.

De acordo com o coronel Jadson Almeida, assistente do comandante-geral do Corpo de Bombeiros da Bahia, foram confirmadas 18 mortes decorrentes da chuva no estado. O 18º óbito é de um homem que foi levado pela correnteza em Aurelino Leal.

A vítima morreu afogada, após um cabo de aço que prendia sua balsa se romper.

A Prefeitura de Jussiape, município de pouco mais de 5 mil habitantes, anunciou neste domingo que uma barragem se rompeu. A gestão municipal pede que os moradores busquem lugares seguros para se abrigarem.

No sábado (25), foi a Prefeitura de Itambé, no sudoeste da Bahia, que alertou os moradores sobre o rompimento de barragem da região.

De acordo com Rui Costa, bases de apoio vão ser instaladas no Vale do Jiquiriçá, Ipiaú, Itapetinga e Vitória da Conquista. A Defesa Civil do estado informa que são quase 4,2 mil pessoas desabrigadas e mais de 11,2 mil desalojadas, após as tempestades.

O número de pessoas atingidas chega a 380 mil. O governador do estado aponta que a prioridade agora é resgatar as pessoas ilhadas, em locais de risco: “Neste momento, [vamos] salvar as pessoas com botes e helicópteros, e tirar as pessoas de cima dos telhados, de cima das casas, de pontos ilhados”.

Neste domingo (26), o ministro da Cidadania, João Roma, visitou a região. Entre as ações anunciadas pelo Governo Federal, está o envio de combustíveis e aeronaves para auxiliar nos resgates.

Moradores do sul da Bahia enfrentam, desde novembro, chuvas muito fortes. O tempo até havia melhorado nas últimas semanas, mas voltou a fechar neste Natal, causando uma situação de calamidade.

Deixe um comentário