Exposição na COP26 volta olhar sobre povos que habitam a Amazônia

"Para quem está por vir" traz 13 trabalhos de fotógrafos da região
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email
Exposição de fotografias que mostram a população negra, indígena, urbana e ribeirinha da Amazônia. (Foto: Bruno Kelly)

A partir da próxima segunda-feira (1º) os participantes da Conferência do Clima (COP26) poderão conhecer um pouco mais das faces e cores que compõem a diversidade da Amazônia.  É que durante a conferência, mais precisamente no espaço Brazil Climate Hub  (que vai promover uma série de eventos ligados à pauta da justiça climática, políticas financeiras sustentáveis e à preservação da biodiversidade), estará em cartaz a exposição “Para quem está por vir”.

Com curadoria de Eduardo Carvalho e Vanessa Gabriel-Robinson, a mostra trará 13 fotografias que mostram a população negra, indígena, urbana e ribeirinha da Amazônia. Os fotógrafos da região  Bruno Kelly, Marcela Bonfim e Nailana Thielly são os responsáveis pelas imagens que são uma forma de ajudar o público a refletir sobre a importância de manter esse ecossistema vivo, minimizar os impactos de sua exploração, mas principalmente sobre a diversidade cultural do local.

“A ideia principal era convidar artistas visuais contemporâneos da região e mostrar um outro olhar sobre a Amazônia. Um olhar jornalístico, local, em que as comunidades fossem protagonistas. Esses profissionais conhecem a realidade social, cultural e econômica de seus estados, e entendem a importância de retratar as comunidades considerando suas diferenças, sua diversidade, a maneira como se relacionam com seu ambiente.”, explica Vanessa, que também é natural da região.

Amazônia humana

“Decidimos evitar mostrar os problemas para mostrar a Amazônia humana”, disse Carvalho. Segundo ele, uma Amazônia urbana, indígena, preta, ribeirinha e feminina, que luta para preservar seus conhecimentos tradicionais, ao mesmo tempo que quer se beneficiar daquilo que a modernidade traz de positivo. “Uma Amazônia que tem voz e que quer ser ouvida. Que deseja transmitir para as futuras gerações – aqueles que ainda virão, como diz o nome da exposição – os segredos, as cosmogonias, as tradições, as relações com a natureza”.

Para Vanessa embora a região figure em diversos debates ninguém realmente se atenta e dá voz aos povos que lá habitam – que ficam alheios a essas discussões ou até mesmo não têm espaço para promover seu trabalho, por exemplo. “Sem escutar essas pessoas, sem dar espaço para a arte produzida na região, a discussão sobre o futuro da Amazônia nunca será completa”, diz.

Por Claudia Felczak – Agência Brasil – Brasília/DF

Deixe um comentário