China diz que rover já circula na superfície de Marte

O Zhurong, que pesa 240 kg e tem seis instrumentos científicos
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email
O Zhurong, que pesa 240 kg e tem seis instrumentos científicos. (Foto: CNSA)

Um rover chinês, controlado a distância, desceu a rampa de sua cápsula de pouso neste sábado (22) e entrou na superfície de Marte, tornando a China a primeira nação a orbitar, pousar e lançar um veículo terrestre em sua primeira missão no planeta vermelho.

Zhurong, batizado em homenagem ao mítico deus chinês do fogo, dirigiu pela superfície de Marte pela primeira vez às 10h40 no horário de Pequim (23h40 da sexta-feira (21) no horário de Brasília), de acordo com relato oficial da mídia social chinesa que acompanha as movimentações do rover.

A China se juntou aos Estados Unidos como a única nação a implantar veículos terrestres em Marte. A antiga União Soviética pousou uma nave em 1971, mas perdeu a comunicação segundos depois.

O Zhurong, que pesa 240 kg e tem seis instrumentos científicos, incluindo uma câmera de topografia de alta resolução, estudará a superfície do solo e a atmosfera do planeta vizinho. Alimentado por energia solar, Zhurong também irá procurar por sinais de vida antiga, incluindo qualquer água subterrânea e gelo, usando um radar de penetração no solo durante a missão exploratória que durará 90 dias na superfície marciana.

rover irá se mover lentamente, com intervalos. A expectativa é que em cada etapa cubra apenas 10 metros em três dias, de acordo com o jornal China Space News.

“O lento progresso do rover foi devido à compreensão limitada do ambiente marciano, então este modo de trabalho relativamente conservador foi projetado com cautela”, disse Jia Yang, engenheiro envolvido na missão, ao China Space News.

Jia disse que não descartaria um ritmo mais rápido no estágio posterior da missão do rover, dependendo de sua situação operacional no momento.

Por Por Ryan Woo e Yilei Sun – Reuters – Pequim

Deixe um comentário