Operação ‘Entendeu? Inferno!’ interdita 11 estabelecimentos em Pirassununga (SP)

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

RIBEIRÃO PRETO, SP (FOLHAPRESS) – O que era inicialmente apenas um desabafo devido à gravidade da pandemia do novo coronavírus viralizou em redes sociais e, agora, se transformou em nome de operação para tentar conter o avanço de casos da Covid-19 em Pirassununga, no interior paulista. Batizada de “Entendeu? Inferno!”, a operação desencadeada no final de semana resultou na interdição de 11 estabelecimentos comerciais na cidade (a 211 km de São Paulo) entre as noites de sexta-feira (5) e domingo (7). Um vídeo publicado na última terça (2) pelo prefeito de Pirassununga, o médico Dimas Urban (PSD), viralizou nas redes sociais nos dias seguintes devido, principalmente, ao encerramento de sua fala. “Para de ser ignorante, pelo amor de Deus. O Covid está aí, e quem não acredita nele é porque é ignorante, ‘zóio’ tapado. Pelo amor de Deus, inferno”, disse o prefeito, que se levantou e encerrou a transmissão do vídeo de cerca de 15 minutos. Município de 78 mil habitantes, Pirassununga está com hospitais lotados e registrou dez mortes por Covid-19 na última semana, segundo Paulo Tannús, secretário da Segurança Pública. Até sexta, a cidade teve 69 mortes e 4.287 casos do novo coronavírus. “Demos esse nome em homenagem ao prefeito pelo vídeo, que viralizou até fora do país. Temos feito constantemente ações para conscientizar a população, mas como só na conscientização não tem dado certo, partimos para multas e fechamento do comércio”, afirmou. Foram notificadas nove pessoas que descumpriam o toque de recolher, imposto a partir das 20h e 11 estabelecimentos. Outros 11 estabelecimentos foram interditados e duas festas em ranchos às margens de um rio foram fechadas. Tannús citou o caso de um supermercado que, interditado na noite de sábado (6), reabriu irregularmente as portas na manhã do dia seguinte e foi novamente fechado pela fiscalização. “Lotado, sem controle algum, com pessoas sem máscaras em seu interior. Não existe mais notificação para comércio. Se descumprirem o decreto, o local é lacrado direto por sete dias e, na reincidência, é lacrado até o fim da pandemia, com o alvará cassado”, disse. A operação vai durar até o próximo dia 19, mesma data do decreto do prefeito Urban sobre a pandemia. No vídeo que batizou a operação de fiscalização, o prefeito demonstra irritação com negacionistas da pandemia, critica aglomerações formadas na cidade, explica as filas formadas para a vacinação e comenta as dificuldades para contratar profissionais de saúde. De acordo com ele, a “maioria esmagadora” de casos recentes é de jovens que foram a bares ou festas. “Gente, o que eu estou recebendo no Whatsapp, vendo no Facebook, de gente postando foto de bar lotado de gente, todo mundo sem máscaras, as mesas todas juntinhas. Escuta, ‘ah, mas a culpa é do prefeito, que não manda fiscalização’. Escuta aqui, a Guarda Municipal agora é a mamãe brava que vai lá e tem que dar um tapa no bumbum do bebê mal educado e teimoso para ele voltar para casa? Que negócio é esse?”, questionou o prefeito.

Deixe um comentário