Secretário pede que profissionais de saúde se voluntariem para tratar pacientes com Covid em São Paulo

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) – O secretário de estado da Saúde, Jean Gorinchteyn, pediu que profissionais da saúde, como médicos, enfermeiros e fisioterapeutas se voluntariem para trabalhar no cuidado de pacientes com Covid-19 em São Paulo. “Estamos em guerra”, disse Gorinchteyn, ao falar sobre a situação da pandemia no estado em coletiva na tarde desta sexta-feira (5), no Palácio dos Bandeirantes, no Morumbi (zona oeste de SP). Ele ainda pediu apoio às entidades e classe, como Cremesp (Conselho Regional de Medicina do Estado) e Coren (Coselho Regional de Enfermagem), para indicação desses voluntários. “Quero aproveitar aqui e conclamar aqueles profissionais da saúde que atenderam naquela primeira fase, na primeira onda do Covid, para que voltem a nos ajudar. Tragam as suas experiência, tragam a sua ajuda para a gente poder acolher e atender a nossa população.” Segundo o secretário, as equipes da linha de frente vão trabalhar como em uma “operação de guerra” em hospitais, colocando pacientes de extrema gravidade em UTIs e verificando quem pode ficar em outras áreas das unidades. Para isso, diz Gorinchteyn, o governo tem distribuído respiradores e ampliado a oferta de oxigênio para os serviços de saúde. O secretário ainda afirmou que serão abertos novos leitos nos espaços disponíveis dos hospitais, se necessário nos corredores, para que nenhum paciente fique sem assistência. O governador João Doria (PSDB) afirmou que na segunda-feira (8) será anunciado um novo hospital de campanha na capital paulista, que funcionará dentro de uma unidade hospitalar já existente. O governador explicou que não serão montadas tendas, como foi feito no primeiro pico da doença, pois a necessidade atual é de leitos de tratamento intensivo, que demandam mais infraestrutura. Nesta sexta, o estado registrou 7.892 pacientes internados em UTIs de Covid –a maior marca desde o início da panemia–, totalizando a ocupação de 77,4% dos leitos. Na Grande São Paulo, essa taxa chega a 79,1%. “A cada dois minutos, três pacientes no estado de São Paulo são internados. Seja numa UTI, seja numa enfermaria”, disse Gorinchteyn. O secretário ainda voltou a cobrar o Ministério da Saúde pelo repasse de verbas para leitos de UTI Covid, cujo repasse foi determinado pela ministra Rosa Weber, do STF (Supremo Tribunal Federal), em 28 de fevereiro. O governador também fez duras críticas ao presidente Jair Bolsonaro (sem partido) e ao Ministério da Saúde pela falta de coordenação no combate à pandemia no país. Doria ainda destacou que o país está conseguindo distribuir vacinas graças ao empenho do Instituto Butantan, que tem envasado doses da Coronavac. O instituto protocolou na Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) o pedido para início dos testes com o soro para tratamento de pacientes com Covid-19. Segundo Dimas Covas, diretor do Butantan, já estão disponíveis 3.000 frascos do produto para serem usados nos estudos clínicos. O uso do soro tem como objetivo amenizar os sintomas da doença em pessoas infectadas. Ele não é capaz de curar e nem de prevenir a Covid-19. Assim que autorizado pela agência federal, os testes começarão a ser feitos em pacientes que passaram por transplantes renais e são atendidos no Hospital do Rim, bem como pessoas com comorbidades atendidas no Hospital das Clínicas. Diante do avanço da pandemia, começa a vigorar à 0h deste sábado (6) a fase vermelha em todo o estado. Assim, somente serviços essenciais –como supermercados, padarias e farmácias, além de igrejas– estão autorizados a funcionar. A medida valerá até 19 de março.

Deixe um comentário