Próximos grupos de vacinação contra Covid têm mais gente que os já imunizados

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) – Imagens de filas de carros e de pessoas à espera da vacina contra a Covid-19 se tornaram comuns nas etapas mais recentes da campanha. Mas, com o avanço da oferta para pessoas cada vez mais jovens, o público que terá direito ao imunizante vai aumentar consideravelmente e o processo se tornará ainda mais complexo -e provavelmente lento. De acordo com projeções populacionais do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), o maior salto percentual entre faixas etárias já ocorreu na etapa atual da vacinação em São Paulo, com a expansão para as pessoas entre 80 e 84 anos, grupo com 79% a mais de pessoas do que na faixa de 85 a 89. Os dados apresentados pelo governo paulista não são muito distantes da projeção do IBGE. Segundo eles, porém, o aumento no número de pessoas vai para 82%. A quantidade de pessoas das próximas faixas etárias prioritárias é consideravelmente maior do que a população idosa já vacinada. Há, por exemplo, mais idosos paulistas de 70 a 74 -mais de 1,3 milhão- do que todas as faixas etárias vacinadas até o momento, inclusive a de 80 a 84, em curso -mais de 1,1 milhão, segundo projeções do IBGE para 2021. Ainda não há uma data para o início da vacinação na população de 70 a 74. Começou nesta quarta (3) a imunização de idosos de 77 a 79 anos. A faixas etárias anteriores são ainda maiores. A casa dos 60 aos 69 anos tem mais de 4,1 milhões de pessoas no estado de São Paulo. Na dos 50, são mais de 5,6 milhões. A maior quantidade de pessoas está na faixa de 35 a 39 anos -são mais de 3,8 milhões de paulistas, segundo o IBGE. Hoje há três vacinas contra a Covid-19 aprovadas no Brasil, duas delas já disponíveis: a Coronavac (do Instituto Butantan e da Sinovac) e a Covishield (da AstraZeneca e da Universidade de Oxford). Ambas receberam aval para uso emergencial e só podem ser aplicadas num grupo menor, de maior risco, como idosos, trabalhadores de saúde, cuidadores, pessoas com doenças crônicas e população indígena e quilombolas.

Deixe um comentário