Ministério Público do Rio cria força-tarefa para investigação de caso Marielle

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

RIO DE JANEIRO, RJ (FOLHAPRESS) – O Ministério Público do Rio de Janeiro anunciou nesta quinta-feira (4) a criação de uma força-tarefa para dar continuidade às investigações sobre o homicídio da vereadora Marielle Franco (PSOL) e do motorista Anderson Gomes. Perto de completar três anos de apuração, os investigadores ainda não descobriram quem foi o mandante do crime. Dois ex-policiais militares estão presos acusados de matar a vereadora e seu motorista. Eles serão julgados pelo Tribunal de Júri. A força-tarefa terá três promotores, sendo duas que já atuavam no caso por meio do Gaeco (Grupo de Atuação Especializada no Combate ao Crime Organizado): Simone Sibilio e Letícia Emile. Eles atuarão exclusivamente no caso, se afastando de suas atribuições. A criação da equipe faz parte da reformulação dos grupos especializados no MP-RJ, conduzida pelo procurador-geral de Justiça, Luciano Mattos. Ele decidiu diminuir o volume de casos sob responsabilidade deles, criando forças-tarefas pontuais para investigações complexas, como é o caso Marielle. Sibilio recusou o convite para permanecer na coordenação do Gaeco, mas aceitou continuar à frente da investigação sobre o homicídio da vereadora. “Este caso sempre foi prioridade para o Ministério Público. E continuará sendo, razão pela qual aceitamos o convite de retornar para esta investigação, na certeza de que toda a estrutura será oferecida para que a elucidação do caso aconteça. Gostaria de ressaltar o meu total compromisso com a sociedade e com os familiares das vítimas no empenho e dedicação a este caso”, afirmou Sibilio, em nota. Os três membros atuarão em 14 procedimentos abertos a partir da investigação do homicídio. Um dos desdobramentos do caso Marielle foi a Operação Intocáveis, que investigou a atuação da milícia de Rio das Pedras. A apuração apontou como chefe do grupo criminoso o ex-policial militar Adriano da Nóbrega, homenageado pelo senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ) e defendido em discurso em 2005 pelo presidente Jair Bolsonaro. A ex-mulher e a mãe de Adriano estavam lotadas no antigo gabinete de Flávio na Assembleia Legislativa. As duas foram acusadas de envolvimento no esquema da “rachadinha” na denúncia oferecida pelo MP-RJ contra o senador. Foi na deflagração da Operação Intocáveis que os investigadores apreenderam o celular de Danielle da Nóbrega, ex-mulher de Adriano, com mensagens de Fabrício Queiroz, apontado como operador financeiro do esquema de Flávio. Nelas, os promotores afirmam haver provas de que ela era uma “funcionária fantasma” e contribuía para a “rachadinha”. A troca de mensagens, obtida num desdobramento do caso Marielle, é uma das poucas provas contra Queiroz que não estão contaminadas pela quebra de sigilo bancário e fiscal anuladas pelo STJ (Superior Tribunal de Justiça). A prova pode ajudar os promotores do caso Flávio a embasar um novo pedido de quebra de sigilo bancário e fiscal, para reabrir as investigações.

Deixe um comentário