Ex-NFL é condenado a 14 anos de prisão por crimes sexuais, diz TV

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

SÃO PAULO, SP (UOL-FOLHAPRESS) – O ex-jogador da NFL Kellen Winslow II foi condenado a 14 anos de prisão por múltiplos crimes sexuais contra cinco mulheres na Califórnia, de acordo com as informações da KFMB-TV, de San Diego. Entre as vítimas de estupro estavam uma garota inconsciente de 17 anos e uma moradora de rua. Winslow, de 37 anos, foi descrito pelo juiz Blaine Bowman, do tribunal do condado de San Diego, como um “predador sexual”, afirmando que o ex-atleta optava por mulheres vulneráveis, seja pela idade ou pela condição social, com a ideia de conseguir sair ileso de qualquer crime. Ele foi condenado por estupro forçado, estupro de uma pessoa inconsciente, agressão com a intenção de cometer estupro, exposição indecente e conduta obscena em público. Sua defesa alegou que as pancadas sofridas na cabeça de Winslow durante toda sua trajetória no esporte o transformaram de um atleta em predador sexual. Winslow foi preso em 2018 e poderia ser condenado à prisão perpétua, mas se declarou culpado em 2019 e acabou recebendo a pena máxima para quem admite ter cometido os crimes. Kellen Winslow carrega o nome do pai, que foi ídolo do San Diego Chargers e está no Hall da Fama do futebol americano. Ele foi uma escolha de primeira rodada no draft de 2004, sendo selecionado pelo Cleveland Browns como o sexto nome no geral, a melhor posição de um tight end em 30 anos. Winslow ficou quatro anos na franquia, sendo escolhido uma vez para o Pro Bowl, o jogo das estrelas da liga, e depois defendeu o Tampa Bay Buccaneers por três temporadas. Por fim, passou por Seattle Seahawks, New England Patriots e New York Jets.

Deixe um comentário