Vacinas contra a Covid e oxigênio medicinal só poderão ser exportados com autorização da Anvisa

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) – A Anvisa (Agência de Vigilância Sanitária) colocou o oxigênio medicinal e vacinas contra a Covid-19 entre os produtos que precisam de sua autorização para serem exportados no país. A decisão, tomada em reunião da diretoria colegiada nesta quarta-feira (3), inclui a exportação de matéria-prima, produto semi-elaborado ou que já esteja pronto. A medida adotada é temporária e envolve as ações de proteção da saúde pública estabelecidas pela agência no enfretamento da pandemia do novo coronavírus. Segundo o diretor da Anvisa Rômison Rodrigues Mota, a decisão foi tomada por conta da dificuldade de se obter vacinas no mundo. “A medida ocorre por dois motivos: o desabastecimento de oxigênio em diferentes partes do país, como divulgado em Manaus, e a corrida mundial pela vacinação, tendo em vista que a capacidade fabril das indústrias encontra-se abaixo do necessário para garantir o fornecimento para toda a população.” A decisão pode atrapalhar o planejamento de laboratórios que pretendem exportar vacina no Brasil, como o Instituto Butantan e a União Química. Países do Cone Sul têm avançado em negociações para adquirir a vacina Coronavac por meio do Butantan. Outros o fazem por via direta com o laboratório chinês Sinovac, como o Chile, que recebeu os primeiros 2 milhões de doses na última quinta-feira (28).

Deixe um comentário