Embaixada da China defende CoronaVac e diz que vacinas do país estão entre as mais avançadas

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) – No dia em que o presidente Jair Bolsonaro atacou o que chamou de “vacina chinesa de João Doria”, a embaixada do país asiático em Brasília defendeu a parceria entre o Instituto Butantan e a farmacêutica Sinovac e disse que Pequim tem compromisso de transformar imunizações contra a Covid-19 em bem público global. “A China cumprirá o seu compromisso de tornar as vacinas chinesas num bem público global depois de se concluírem as devidas pesquisas e aprovações. Vai fornecer com prioridade aos países em desenvolvimento e fazer contribuição chinesa para garantir a acessibilidade e disponibilidade de vacinas aos países em desenvolvimento”, disse a missão diplomática em um comunicado. A embaixada também declarou que os ensaios clínicos da CoronaVac -parceria entre a chinesa Sinovac e o Instituto Butantan- estão avançando no Brasil e que espera que os resultados sejam positivos. “Qualquer vacina, quando tiver sua segurança e eficácia comprovada, será valiosa para proteger as populações do mundo, incluindo a do Brasil”. “O desenvolvimento e pesquisa das vacinas chinesas contra a Covid-19 estão entre as mais avançadas do mundo, e quatro vacinas chinesas se encontram na terceira fase dos testes clínicos”, afirmou a embaixada em nota. A manifestação da embaixada da China evita polarizar com Bolsonaro, que se referiu mais cedo à imunização como “a vacina chinesa de João Doria”, numa referência ao governador de São Paulo e seu adversário político. Bolsonaro reagiu ao anúncio, feito pelo ministro Eduardo Pazuello (Saúde) na terça-feira (20), de um acordo com o estado de São Paulo para a compra de 46 milhões de doses da CoronaVac. Na ocasião, Pazuello disse que “a vacina do Butantan será vacina do Brasil”. “O Butantan já é o grande fabricante de vacinas para o Ministério da Saúde, produz 75% das vacinas que nós compramos”, acrescentou o ministro. Bolsonaro desautorizou o chefe da Saúde na manhã desta quarta, usou a palavra traição para o caso e disse que o governo não comprará o que chamou de “vacina chinesa”. “Tudo será esclarecido hoje. Tenha certeza, não compraremos vacina chinesa. Bom dia”, respondeu Bolsonaro nas redes sociais a uma simpatizante. “Para o meu governo, qualquer vacina, antes de ser disponibilizada à população, deverá ser comprovada cientificamente pelo Ministério da Saúde e certificada pela Anvisa [Agência Nacional de Vigilância Sanitária]”, escreveu em outra mensagem nas redes sociais. Em nota divulgada na terça, o Ministério da Saúde chegou a informar que, com a parceria com São Paulo, o Brasil teria 186 milhões de doses de vacinas a serem disponibilizadas ainda no primeiro semestre de 2021, a partir de janeiro. O total considera as 46 milhões de doses do Butantan e Sinovac, além de contratos já existentes no governo para obter 140 milhões de doses -100 milhões da vacina da Universidade de Oxford e 40 milhões do mecanismo Covax Facility, liderado pela OMS (Organização Mundial de Saúde). Mas o ministério voltou atrás após o veto de Bolsonaro. Citando uma interpretação equivocada da fala de Pazuello, a pasta negou compromisso para compra de vacinas com o governo de São Paulo ou seu governador e disse não ter “intenção de compra de vacinas chinesas”. Em seguida, no entanto, reafirmou ter um protocolo de intenções para compra de uma possível vacina brasileira com o Instituto Butantan, que é vinculado ao governo paulista.

Deixe um comentário