Milhares de mulheres saem às ruas para protestar contra Trump nos EUA

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) – Milhares de mulheres foram às ruas em Washington e em outras cidades dos Estados Unidos neste sábado (17) para protestar contra o presidente Donald Trump e sua decisão de indicar uma juíza para a Suprema Corte americana antes da eleição presidencial de 3 de novembro. As manifestações foram inspiradas na primeira Marcha das Mulheres em Washington, uma mobilização anti-Trump que aconteceu depois de ele ter assumido a presidência em 2017. Mais de 100 mil pessoas participaram de cerca de 430 manifestações em cidades como Nova York, Los Angeles e Chicago, de acordo com a organização. Participantes que não estiveram presentes devido à Covid-19 tinham a opção de aderir a uma iniciativa virtual, que pretende enviar cinco milhões de mensagens incentivando o voto no país. Durante as marchas em diferentes cidades, manifestantes também fizeram homenagens à Ruth Bader Ginsburg, a juíza mais velha e ícone progressista da Suprema Corte americana, que morreu dia 18 de setembro aos 87 anos. Muitas estavam vestidas ao estilo Ginsburg, imitando o seu traje como juíza, enquanto outras usavam os chapéus rosa que ficaram famosos na manifestação original. Também carregavam cartazes como “Trump/Pence: Fora já” e condenavam a tentativa do Partido Republicano de indicar a juíza Amy Coney Barrett à Suprema Corte dos Estados Unidos poucos dias antes da eleição presidencial. A votação final que deverá confirmar a nomeação de Barrett à Suprema Corte está prevista para acontecer no fim de outubro. Um outro protesto menor também aconteceu em Washington, em frente à Suprema Corte, a favor de Barrett, com faixas “estou com ela”. A marcha acontece em meio a um clima acirrado de disputa à presidência dos Estados Unidos. O candidato do Partido Democrata à eleição, Joe Biden, abriu vantagem em relação a Donald Trump em pesquisas nacionais e em estados considerados chave, como Flórida e Pensilvânia.

Deixe um comentário